JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

13 de abr de 2012

Abismada Bea - Cidadania ansiosa



Nesta semana li alguns artigos que falam sobre o tempo estar passando mais rápido e gerando angústia para os seres humanos, li também alguns que apontam a ansiedade como uma doença generalizada nos últimos tempos, então existem diagnósticos que de fato estamos mais atordoados do que de costume.
A ansiedade é inegável, e tristemente é uma condição psicológica grave, o sujeito vive com o sistema nervoso acelerado causando agonia, aflição, impaciência e irritação, como é que uma pessoa que vive dessa forma pode fazer algo bom de fato? Não se trata aqui de ruindade ou outro adjetivo pejorativo, falo de qualidade de vida e seus efeitos no meio.
Aponta-se a ansiedade como primeiro problema para chegar em outro: a cidadania atual.
Oi?
Acompanhe o pensamento: existe a legendária definição de que cidadão “é aquele que possui direitos e cumpre seus deveres”, mas se for mal feito, vale? Não! De nada adianta a velha frase de que “mas o que vale e a intenção” porque se fosse assim Brasília seria um templo sagrado transbordando energia boa.
Falando em tópicos, vamos aos deveres: todos cumprem suas tarefas, vão trabalhar e estudar, todos são exemplos de conduta! Nem tanto...É muito comum vermos pessoas sempre correndo, atrasadas, compensado algo ou procurando alguém em uma amargura sem fim; a culpa é colocada na forma que levamos a vida, o tipo de sociedade em que estamos inseridos e blábláblá, sim, é verdade, mas nós é que formamos tudo isso, é um efeito borboleta e alguém tem que começar, é clichê e é verdade: gentileza gera gentileza... Não prego uma conduta de um santo, mas de uma pessoa normal, que compreende a igualdade entre os humanos e age pela empatia. Hoje temos milhares de cidadãos cumprindo seus deveres, mas para isso vão cortando outros no trânsito, explodem com pequenos contratempos, cometem injustiças em prol do “ganho de tempo”, prestam atendimento de forma ríspida, sentenciam sem aprofundar de fato a análise, trabalham de mau humor; em resumo, temos pessoas cumprindo suas obrigações, mas com raiva e sem grandes cuidados.
Já sobre os direitos não há muito que comentar somente a verdade de que as mesmas pessoas que são grosseiras com seus semelhantes são aquelas afoitas pelo respeito aos seus direitos, querendo que o mundo as trate com toda a suavidade e tolerâncias que elas não possuem.
Acredito que ser contraditório é parte da natureza humana, mas “evoluir” para a intolerância, não. Cada vez mais estamos necessitados de humanismo e cada vez menos fazemos a nossa parte para que isso exista, sempre contamos que o primeiro movimento seja da outra pessoa cabendo a nós a mera compensação, estamos ficando egoístas e egocêntricos, dessa forma não vamos muito longe.

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism