JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

19 de jun de 2012

Diário de um Dotô – Audiências

Bom dia gente linda, garbosa e disposta do universo da leis, mais um dia de coluna, e hoje vou falar de um assunto muito importante e que causa pânico nos jovens advogados e que igualmente também causou a mim: AUDIÊNCIAS! 

Como advogado tributário, confesso que faço pouquíssimas audiências, corrigindo, nunca faço audiências, assim, as únicas experiências que tive com audiências não foram à serviço do escritório, mas como o meu chefe uma vez me disse que advogado em início de carreira é até bom fazer uma audiência ou outra só pra ir ganhando confiança e experiência, eu decidi me aventurar por este mundo desconhecido pra mim. 

depois01A primeira audiência que eu fiz na vida, na verdade foram 4 audiências em um único dia, aconteceram de uma maneira completamente inusitada, e de um modo que eu jamais imaginaria, estava eu no fórum de Tatuí, (interior de São Paulo) consultando alguns processos na vara das execuções fiscais, quando por sei lá que raios eu precisava despachar uma petição com o eme eme.  E ao me dirigir até a sala do mesmo, ele me atendeu e quando estava saindo ele me disse: “Doutor, nós temos algumas audiências (criminais) que serão realizadas agora, mas o advogado dativo ainda não chegou, o doutor não poderia fazer a gentileza de realizar estas audiências até que ele chegue? 

Minha vontade era dizer que não… Mas o que eu disse foi quase um não, argumentei que minha área de atuação era outra e que nunca na vida tinha feito uma audiência criminal, e que não sabia sequer os “rituais” de uma audiência dessas, e ele me disse pra ficar tranquilo que era só pra sentar lá e cumprir uma formalidade, ou seja,era só sentar pra fazer volume, e além disso, ele e a promotora estariam lá pra me ajudar caso eu precisasse. E assim, eu fiquei na sala, muito mais pela bela promotora do que pelo pedido do juiz, mas fiquei e  após chamadas as partes, entra o meu “cliente”, algemado e vestido com roupa de presidiário, e a primeira coisa que o juiz disse foi que eu estava apenas fazendo um favor e tal. 

O primeiro caso foi pra lá de tranquilo, pois quando o eme eme terminou de ler o que o cidadão havia praticado e questionado o mesmo se ele havia praticados os fatos narrados, o ser disse que sim, e aí ficou fácil. Só fiz uma ou duas perguntas e pronto, audiência terminada. As outras audiências foram parecidas, mas depois da primeira, eu fui ganhando confiança e até me meti a besta de fazer uma ou outra pergunta. Tanto é que no intervalo entre uma audiência e outra o juiz disse: “doutor, apesar das suas perguntas serem corretas e pertinentes, não precisa fazer pergunta, se não quiser perguntar é só falar: sem perguntas e pronto, assim você vai embora mais cedo.” Mesmo assim, fiz algumas perguntas nas demais audiências, até que elas acabaram e eu voltei pra Campinas feliz e contente afinal tinha perdido a virgindade quanto às audiências.

Mas apesar disso, eu não considerei aquilo como uma audiência, porque né, eu não fiz nada demais,eu queria uma audiência daquelas que você estuda o processo, participa, faz perguntas e assim por diante, e não demorou muito até a minha primeira e “efetiva” audiência aparecer, e foi uma audiência trabalhista, que vale mencionar, não tenho muita intimidade com a matéria. 

Em razão disso, fiquei com um puta cagaço, medo de gaguejar, medo de fazer pergunta idiota, medo do advogado da outra parte acabar comigo. O medo era tanto que eu até cheguei a sonhar que estava fazendo audiência e todo mundo ria da minha cara… Mas, eu sou um cara sabido e astuto, e pra evitar que meu sonho se tornasse realidade, fui até o fórum e passei quase o dia todo sentado lá assistindo as audiências. Eu já tinha assistido audiências outras vezes, mas das outras vezes eu estava lá para cumprir uma obrigação, uma vez que a faculdade exigia algumas horas como atividade complementar, mas nas visitas anteriores eu estava preocupado apenas em anotar os dados do processo, e esperar o juiz assinar a minha folha pra poder ir embora. Só que agora era diferente, agora eu tinha que prestar atenção aos rituais, onde sentar, o que fazer, como proceder e tal e depois de tudo mentalmente anotado, voltei pra casa e dei uma última lida no processo e nas perguntas que iria fazer no dia seguinte. 

Estava realmente preparado e pensava assim: amanhã vou dar uma sova do advogado, amanhã a gente vai tirar uma grana desses caras. Cheguei no fórum, meu cliente chegou também, e após alguns momentos o advogado da reclamada me chama e diz: “Doutor, minha cliente quer propor um acordo de tal valor”. Fui novamente falar com o meu cliente e disse o valor proposto e ele disse: ACEITA, ACEITA!  

Deu uma puta vontade de dizer: 

- Porra, você tá de brincadeira! Eu vim ontem nesse lugar, assisti audiência, fiquei estudando o processo à noite, anotei um monte de pergunta pra fazer e agora você quer aceitar o acordo? Nem fodendo, vamo entrar lá e brigar com esses caras! 

Mas não disse nada, e com isso eu só entrei na sala, e disse: Excelência, nós acabamos de pactuar um acordo e só viemos aqui pra homologar, ou seja, não durou nem 3 minutos a porra da minha primeira audiência!

Assinatura Livan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism