JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

7 de jun de 2012

Reclamatório – Entrevista de Emprego

barbudoSalve salve pessoas lindas e amadas do universo da juridicidade! Hoje é dia de reclamar, não que eu reclame porque eu goste, eu só faço isso pra dar uma maior “ênfase” ao nome da coluna. (mentira, eu sou um reclamão profissa)

Já tem um tempo que estou querendo escrever sobre isso, mas sempre aparece alguma outra coisa pra reclamar e acabo me esquecendo, mas de hoje não passa…

Eu já disse outras vezes que me aborrece pra cacete esse rigor que é imposto aos profissionais do Direito, é terno pra despachar, é doutor pra lá, é excelência pra cá e assim por diante. Mas além disso, existem muitas outras coisas que permeiam o mundo jurídico e este rigor excessivo não provém apenas dos fóruns e tribunais, ele reside também nos escritórios de advocacia em geral. Uma prova clara do que estou dizendo são as tão temidas entrevistas de emprego.

Semana passada eu falei sobre tatuagem e deu discussão pra caramba, e apesar da grande maioria das pessoas acharem que a tatuagem não influencia na vida profissional, uma pequena minoria entende que sim, que uma pessoa com tatuagem desempenha suas funções com qualidade inferior àqueles de "corpo limpinho".

E então eu pensei: o que mais esse pessoal não gosta de ver nos advogados? O que pode incomodar e que esteja mais visível que uma tatuagem? (partindo do pressuposto que advogados trabalham de terno e apenas o rosto e as mãos ficam aparentes)

Simples: brinco, cabelo comprido, piercing e barba mal feita (ou não feita)!

Fiz poucas entrevistas até encontrar o emprego que me encontro hoje, e quando fiz,era para vaga de estagiário, mas de todo modo eu me preparei antes, fiz a barba, arrumei o cabelo (rá), coloquei um terno, tentei caprichar no nó da gravata, e antes de sair de casa ainda tem que dar aquela cheirada básica no “suvaco” pra conferir se o cheiro está bom (sim, nós homens não temos modos e fazemos isso mesmo) e  ainda dei uma conferida rápida pra ver se não tinha nenhum alface enroscado no dente.

E todo esse cuidado não é nada além do que esperam de você! É isso que eles esperam que você faça, e é o comum e que praticamente todo mundo faz, porque né... se você quer o emprego, tem que fazer!

Agora, experimente chegar numa entrevista usando um brinco ou com o cabelo um pouco mais comprido que o normal (se você for homem, é claro) ou ainda com a barba mal feita (novamente se você for homem, é claro) ou "pior", experimente ir para uma entrevista usando um piercing! É certo que você não conseguirá o emprego, tudo isso porque o pessoal mais velho e que possui a caneta dourada que assina o contracheque nutre um enorme preconceito quanto a esses “desvios de conduta”.

Eu não consigo ver nenhuma relação entre o tamanho do seu cabelo e a sua competência e capacidade, mas, como diria aquela propaganda antiga de desodorante: “a primeira impressão é a que fica” é isso que vai ser analisado na sua entrevista de emprego, a sua “fachada”. E apesar de não ver nenhuma relação entre capacidade e cabelo e etc., eu até consigo entender um pouco essa visão "preconceituosa" no que diz respeito à barba mal feita ou não feita. Porque aí é desleixo, falta de zelo (alguns irão dizer que está na moda), mas sei lá pelo menos na entrevista não custa né...

Mas, como eu disse alhures (só escrevi isso pra parecer que eu manjo de termos juridicamente bonitinhos) as pessoas mais velhas tem certa restrição à brincos, cabelos compridos e outros apetrechos faciais.

O seu currículo pode ser o melhor de todos, mas o dono do escritório vai estar pensando o seguinte enquanto lê: BRINCO… CABELO COMPRIDO… PIERCING... BRINCO… CABELO COMPRIDO… BRINCO… PIERCING... BRINCO… PIERCING... e pronto, você perderá a vaga, talvez para um advogado menos capacitado, só porque ele não usa brinco, piercing e nem tem cabelos longos e sedosos como o seu!

Acho que esses "ranços" ainda vão perdurar por muito tempo, pois apesar de ter uma nova geração de advogados surgindo(tatuados; cabeludos; ou com piercing), acho que esse pessoal não tem força pra mudar esses “dogmas” de imediato, principalmente porque sempre existirão donos de escritórios conservadores e clientes que te julgam pelo comprimento do seu cabelo ou pela quantidade de furos que você tem na orelha, e assim seguiremos todos ou quase todos com os cabelos cortados, a barba feita e sem nenhum adereço nas orelhas ou em outro ponto do rosto.

Fossem vocês publicitários ou engenheiros de computadores poderiam trabalhar até de crocs, com piercings e cabelo rastafari que ninguém ia encher o saco, mas escolheram esta profissão e agora não tem o que fazer senão seguir o fluxo.

Seguir o fluxo, não significa porém que você deva ser um cordeirinho e acatar todas as regras impostas, se revolte contra o sistema e tatue "fuck the system" num lugar onde o terno ou o seu tayer (se você for mulher é claro)  esconda, mas além dessa "rebeldia oculta" não há muito o que fazer, porque é você que tem que se adaptar ao meio, e não o meio se adaptar a você, então se quiser arrumar um emprego engole o choro e vai cortar esse cabelo.

Assinatura Livan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism