JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

17 de set de 2012

Diário de um Postulante – Estudar no Facebook não dá!

L.A.-Facebook-e-EstudosBom dia nobres... Antes de lhes contar como estou me preparando para o exame da ordem, relatarei minha trajetória nessa fodastica prova.

Eu sempre disse que tinha que passar na primeira prova da OAB que eu prestasse (Ah! Também sempre disse que ligaria pro seu Doutô Ophir e gritaria CHUPAAAA quando isso acontecesse). Para minha infelicidade, eu atingi apenas 50% do meu propósito.

Para a primeira fase me preparei muito. Li tudo o que acontecia na vida das pessoas pelo facebook, resumo de novelas, segui famoso no twitter e matéria de direito que é bom nada. Todas as manhãs eu pensava: Hoje eu começo a estudar! Mas, quando eu via, lá estava eu envolta pelo poder atrativo da vadiagem estudantil.

Três dias antes da prova surtei! Bateu-me um desespero animal a ponto de procurar na internet de métodos “infalíveis” de memorização até novena milagrosa. O pânico era tamanho que comecei a ler tudo de tudo. Lia meia página de Civil, ia pra Penal, corria pra Constitucional. Critério zero!

Mesmo com todo esse desleixo, eu consegui. Passei na primeira prova que prestei! Fui para a segunda fase e ao invés de me aprumar, eu continuei com o mesmo modus operandi, tão relapsa quanto na primeira fase. Brindei muito mais vezes do que peguei nos livros.

Fui para a prova implorando que poderes jurídicos sobrenaturais recaíssem sobre mim. Chegando lá, a única coisa que recaiu sobre mim foi um incrível poder de fazer merda. Escrevia , escrevia, escrevia e riscava tudo. Cansada de brincar de risque-rabisque, comecei a transcrever minhas respostas. Eis que tive uma luz! Achei que tava recebendo uma brilhante entidade jurídica, risquei minha resposta inicial e desenvolvi uma nova tese.

De tão nova que era essa tese, ela não constava em nenhuma doutrina. Errei, errei bemmmm feio. No momento em que eu escrevia achava que o espírito do Nelson Hungria tava ali, na verdade o único espírito presente era o espírito de porco.

Diante de chocante lambança adivinhem o que ganhei? Uma reprovação digna de cortar os pulsos com uma gillette cega pra prolongar o sofrimento – 5,45 essa foi a minha pontuação. Tentei ainda um recurso, mesmo tendo feito cagada baseando-me no princípio recursal do “ vai que cola”. Mas, não colou.

Até hoje sonho com o Ophir falando: QUE BURRAAAA! O que me alivia é que recentemente li uma matéria que me deu um norte: “Pensar em sexo deixa voce mais inteligente” (matéria da revista Superinteressante).  Pensar em sacanagem favorece o raciocínio. É isso! Pra quê resumo, doutrina e vade mecum do inferno? Vou por fogo em tudo. O caminho do sucesso é assistir vídeo de fornicação, ler o kama sutra e zaz... ninguém me segura, serei aprovada!

Bem que podia ser assim, mas não é. Hoje reconheço que só recebi o que eu busquei com esse comportamento tão procrastinador e relapso: Nada! Não nasci com super cérebro, não sou dotada de grande inteligência, portanto, ou estudo ou reprovo. É simples.

Assinatura Mari

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism