JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

2 de mai de 2013

Diário de uma Doutora – A primeira entrevista

bopeOlá nobres ... após muitos currículos enviados e orações feitas, finalmente parti para minha primeira entrevista lá em São Paulo.

Lá vai a capiresca capial fazer entrevista na “capitar” de SP ...

Mesmo morando muito próximo a São Paulo, resolvi sair com bastante antecedência, pois a Rodovia a ser utilizada não é das melhores. Sai cedo com meu possante, nem tão possante assim, e lá fui. Num dia normal eu estaria lá em 50 minutos, masssss a bendita lei de Murphy se fez valer e um acidente me fez ficar parada com o carro desligado por uma hora.

Não bastasse a minha ansiedade por conta da entrevista, o trânsito parado potencializou os “frios na barriga”. Mas, como tudo sempre dá certo, no tempo limite, o trânsito fluiu e lá fui eu acelerando rumo à entrevista.

Detalhe que, por eu ter saído muito cedo de casa, e por ser uma pessoa que sente frio mais do que as pessoas normais, coloquei uma roupa quentinha. Porém, por ter ficado com o carro parado no sol por uma hora, eu já tava me sentindo um pedaço de carne numa grelha. É uma delícia sentir calor, mas quando estou na praia e tomando uma cerveja bem gelada, ali ele não era bem vindo de forma alguma.

Bom, cheguei esbaforida de calor, com uma roupa pouco condizente com a temperatura, mas cheguei no horário. Fiquei aguardando ser chamada pelo advogado dono do escritório.

Como eu já havia passado por todos os graus de ansiedade até ali, naquele momento eu nem tremi, nem fiquei vermelha, o que é quase um milagre. Agi como se fosse falar com um cliente meu, de forma natural. Entretanto em determinado momento da entrevista percebi que estava respondendo diversas perguntas ao estilo soldado do B.O.P.E:

Está preparada para este desafio? Sim Senhor!

Você se sente capacitada para a vaga? Sim Senhor!

Tossi, respirei e “desenvolvi uma tese” sobre o quanto os meus ideais iam de acordo com os propósitos do escritório descritos por ele.

Tirando a parte a la soldado do B.O.P.E fui bem. Se vai dar certo eu não sei, mas só de não ter derrubado as estátuas da justiça que ele tinha na mesa, nem batido com a bolsa em algo quebrável e nem ter engasgado para falar com ele já é um bom começo.

assinaturamari

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism