JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

1 de mai de 2013

Juiz humilha advogado em sentença

 5.0.2"A tese de brilhantismo ímpar, de elaboração claramente genial do embargante, com linha de raciocínio muito acima da inteligência mediana da comunidade jurídica." A frase irônica consta em sentença em embargos de declaração do juiz Federal substituto Guilherme Gehlen Walcher, de SC.

Um servidor da JF/SC ajuizou ação contra a Fazenda Nacional pedindo a declaração da ilegalidade do desconto da contribuição previdenciária sobre os valores devidos a título de adicional de qualificação por ações de treinamento. A sentença foi julgada improcedente e o autor opôs embargos de declaração sustentando a existência de nulidade, omissão e contradições na decisão. O magistrado negou provimento aos embargos. Mais do que isso, porém, aproveitou a oportunidade (v. abaixo) para dizer poucas e boas ao servidor Federal.

Entre os comentários, o julgador ironiza a tese do embargante dizendo que “é tão brilhante que deve o autor levá-la ao relator do projeto do novo CPC para que venha a ser acolhida no novo código.”

Acerca do fato do servidor ter dito que a "sentença julgou contra a lei", disse o magistrado: "É lamentável ver um servidor da própria Justiça Federal cuspindo no produto (sentença) da atividade fim da instituição a que pertence, que paga seu salário e que sustenta sua família.” E ainda completa: “Não perco a oportunidade de registrar que, no dia em que o embargante for aprovado no concurso de Juiz Federal, aos 27 anos de idade, em três oportunidades, obtendo um primeiro e um segundo lugares (sendo que neste último caso o primeiro lugar somente foi assumido por terceiro candidato após a pontuação dos títulos), terá condições intelectuais de dar lições de processo civil a este julgador (...).

Cliquem e “confirem” o processo: 5008083-73.2012.404.7202

Fonte: Migalhas

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism