JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

17 de jun de 2013

Depressão Pós-OAB.

Olá queridos e queridas desse blog jurídico mais lindo do Brasil. Meus pêsames vão para os corajosos que se jogaram nesse X Exame de Ordem e tomaram bem gostoso naquele lugar.DEPRESSÃO1

Fiz a prova de Administrativo (pois é) e sabia a peça e grande parte das respostas das questões logo de cara... Agora me perguntem se achei os dispositivos que fundamentavam as respostas no Código? É claro que não. Ele estava todo grifadinho com lápis de cor colorido. Uma cor para cada assunto. Parecia que eu fazia Arquitetura e Urbanismo ou Design. Usei Pink para intervenções do Estado na Propriedade Privada (liiindo né?) e tinha uma questão sobre o assunto. Mas a anta não lembrava do artigo nem por um Decreto (é, e estava no Decreto nº 3365, afff).

Os amigos e amigas que fizeram Civil reclamaram das exigências nas questões acerca do entendimento atual dos Tribunais. Tenso. Os que fizeram Tributário ainda têm dúvida se a peça era uma Apelação ou uma Ação de Repetição de Indébito. Como não entendo de Tributário, só estou repassando o que me contaram. Quem fez Trabalho, a peça era uma Consignação em Pagamento, que tinha sido cobrada no passado quando a banca examinadora ainda era a CESPE.

Assim, quando a mãe de uma amiga falou que teríamos que fazer uma “esquete” (confundindo o nome e referindo-se à PEÇA) no Exame, ela estava certa. Essa pequena peça revestiu-se de um teor melodramático que só seria cômico se não fosse trágico. E nem se diga que esquete é diferente de peça por causa do tempo de duração. Ainda que as esquetes durem menos de dez minutos, normalmente, as nossas 5 horas para fazer essa peça pareciam 5 minutos.

Mas é claro que não preciso nem dizer o que me derrubou: o nervosismo e a pressão. Garanto que isso acaba com muita gente, mas principalmente acaba com aqueles que como eu, são durões, não se abalam por pouca coisa e passam sempre aquela imagem de força e psicológico inatingíveis.

Uma vez derrubados, esses não tão durões assim desabam de uma vez só e o resultado: Uma quase depressão e uma vontade de sumir do mapa. Sim, estou chata, chateada e exagerada. Comprei todo o estoque de pomada para assadura da farmácia, depois de ter minha intimidade praticamente violada pela OAB.

Sabem o maior sentimento que essa experiência na Prova da Ordem me trouxe? Que eu nunca mais quero voltar a fazê-la.

Obviamente, a minha espera é por uma aprovação, ainda que por pouco. Nessas alturas do campeonato, parei de ser nerdona e querer nota alta. Hoje eu só quero um 6,0, bem redondinho.

Mesmo porque como diz outra amiga minha, nenhum escritório vai lhe perguntar quanto tirou no Exame de Ordem antes de te contratar. O que importa é a cor-de-rosa.

E que ela venha para todos nós postulantes, bem lindona. Enquanto isso, nos resta terminar a Faculdade, escrever e apresentar a monografia, e correr para o Juramento!

Que assim seja, amém!

AssinaturaDaiane

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism