JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

25 de jul de 2013

Advocacia açougueira

Atualmente, muito se fala no fim da prova da OAB, ou pelo menos que a avaliação seja mais justa e que contenham menos erros em sua elaboração e também na correção, contudo, apesar dos pesares, a prova se faz necessária. Vou além e digo que além de necessária, ela deveria ser aplicada a cada 5 anos, pois é inacreditável o tanto de cagadas que a gente anda vendo por aí.

Os erros são grotescos, o desconhecimento da legislação é absurdo, alguns não dominam nem o português, quem dirá conseguir interpretar uma súmula ou uma jurisprudência e aplicá-la no caso concreto.

Porém, contudo, entretanto, todavia, a minha revolta maior não diz respeito ao desconhecimento de alguns causídico, porque isso na verdade é até bom, pois quanto mais advogados fazendo merda em vossas petições, maiores são as chances de insucesso em suas lides, e maiores ainda serão as chances destes clientes ficarem furiosos e procurarem novos advogados.

açougueiro

Aí meu amigo, quando o cliente chegar desesperado em seu escritório pedindo pra você dar um jeito no que foi feito, você internamente sorri, e pensa assim: “se fodeu bonitão, porque agora o barato vai sair caro” e cobra um valor alto pra caramba do cliente, sob o argumento de que fazer uma ação é um preço, arrumar um erro alheio é outro, pois já dizia o velho ditado: “quem paga mal, paga duas vezes”.

Honestamente não sei se é a crise internacional, se é o desespero por conseguir captar clientes, ou simplesmente por serem uns grandessíssimos de uns filhos da puta, que os advogados vêm aceitando causas por valores absolutamente irrisórios. Para estes elementos a tabela de honorários da OAB serve apenas para calçar aquela mesa velha do escritório que fica balançando, porque pegar a “porra do livrinho” e ver quanto é o valor mínimo a ser cobrado por ação, não rola.

Tem advogado cobrando duzentos reais pra fazer uma ação consignatória, quando a tabela da OAB fala em mais de R$ 3.000,00! Outros cobram quinhentos dinheiros por uma separação consensual enquanto a cartilha manda que se cobre pelo menos R$ 1.599,22 (não me perguntem o porquê desse valor “quebrado”).

Sabe o que isso significa? Que nós, advogados estamos bem ferrados, porque se um cliente chegar em seu escritório e você explicar que cobra três paus por uma coisa que um outro falou que faz por duzentão, ele vai rir da sua cara, falar que não quer, e ainda espalhar pra todo mundo que você é “careiro” e com isso, os conhecidos daquele possível cliente não irão te procurar nunca!

Depois o pessoal sai por aí falando que a nossa profissão está desvalorizada, que a classe precisa de um piso salarial e coisas do tipo, mas expliquem, como é que um escritório vai conseguir pagar um piso digno para seus advogados se tem gente por aí que rouba todos os clientes sob o argumento de que “comigo é mais barato”?

Acho que os advogados se esquecem do tanto que ralaram na faculdade, ou do tanto que sofreram estudando pra passar na OAB, porque pra fazer isso, tem que ser muito canalha! Isso desvaloriza a própria profissão! Isso ferra com a gente! E o problema maior é que nem todos aqueles que cobram barato são advogados ruins, e aí meus nobres é que mora o perigo, pois se o cara cobra barato e faz cagada a gente comemora, mas se ele cobra barato e faz bem feito...

AÍ A GENTE CHORA!

AssinaturaLivan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism