JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

12 de jul de 2013

Arrogância Jurídica

Se você é uma pessoa que se importa com a opinião alheia e tem um cuidado extremo com a sua imagem e profissão, o conselho do dia é: não faça faculdade de Direito, pois certamente você irá se decepcionar muito com o que irá ouvir da classe profissional. Pois o que mais encontramos por aí são advogados que pouco sabem, mas que acreditam possuir o conhecimento de um ministro do Supremo. prepotência

Se não tivesse cursado o tão mal visto curso, certamente iria desconfiar que existe alguma matéria do tipo: como ser um mala em 3 passos ou soberba 1, 2 e 3, pois é impressionante o número de estagiários, bacharéis e advogados que se acham superiores à média da população mundial simplesmente porque tem conhecimento de meia dúzias de artigos da Constituição.

Essa mania de se achar superior aos demais acaba por dividir a própria categoria, pois as pessoas começam a se sentir poderosas simplesmente por terem optado por determinado ramo do direito, e ó que essa arrogância começa antes mesmo de possuírem a carteira cor de rosa e exemplos não faltam.

Na terça feira a OAB divulgou o resultado de mais uma prova que credencia bacharéis em direito a exercer a nobre arte da advocacia, e por conta de erros da FGV, os candidatos que fizeram a prova em Direito Civil e Tributário foram EXTREMAMENTE beneficiadas com pontos ou diversos tipos de peças cabíveis.

Em tributário aceitaram sete tipos de peças e em civil a banca examinadora anulou 2 questões oferecendo assim 2,5 pontos para todos os candidatos e ainda deu 1 ponto para quem acertasse a descrição dos fatos e mais um décimo pra quem colocasse a indicação de data e assinatura do advogado, ou seja, qualquer um com um mínimo de capacidade interpretativa já partia com 3,6 pontos na prova de Civil.

Pois bem, partindo disso, os novos aprovados começaram a postar as suas notas no exame como se fossem os melhores advogados do mundo e “menosprezando” os demais colegas que prestaram a prova em outras áreas. Li e ouvi coisas do tipo: “passei na matéria que tem mais petições pra se conhecer, sou muito bom”; “OAB, posso passar meus 2,5 pontos pra outra pessoa? Tirei 9,5 e nem precisei deles”; “Direito Civil a nata do mundo jurídico”. Neste momento, os que fizeram a prova em penal se “defendem”, atacando os demais, dizendo que penal tem menos artigos, mas as teses de defesa são muito mais complexas, logo em seguida o pessoal do tributário diz que passar em civil fazendo 10 semestres na faculdade é fácil, difícil mesmo é passar numa matéria que tem só dois semestres de aula, e assim a briga nunca termina, pois sempre um quer gritar mais alto que o outro!

Menos pessoal, bem menos! Vocês acabaram de passar na OAB, muitos nunca fizeram estágio na vida e apesar de acreditarem que sabem tudo do mundo jurídico por conta de uma nota alta, mas não sabem nem de que lado da mesa sentar numa audiência! E outra, só pra deixar uma coisa bem clara aqui, vocês são tão excepcionais em direito civil e se acham tão superiores aos demais, mas sabem como irão começar a carreira?

Fazendo divorcio, ação de despejo por falta de pagamento e se der sorte um inventário!

Vamos colocar o pé no chão pessoal, a prova da OAB só abre as portas para a advocacia, mas a batalha começa é agora, se você acha que o pior já passou, pare agora mesmo o que está planejando e reveja os seus projetos de futuro.

A arrogância é tamanha que até um tempo atrás o pessoal dizia que a prova não servia pra medir conhecimento, mas agora que saiu lá no espelho a nota 8,9 seguida da palavra APROVADO, o cara se acha o fodão dos fodões e sai colocando a nota no facebook e falando quanto tirou até mesmo pra quem não quer saber!

Por fim, deixo claro que apesar de achar a prova necessária, acredito que ela não meça efetivamente o pleno conhecimento jurídico dos bacharéis, porém, em razão destes últimos acontecimentos, acabei verificando uma nova função para a prova da OAB, identificar os coxinhas arrogantes!

AssinaturaLivan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism