JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

30 de jul de 2013

Internetês e o Excesso de Formalidade

Olá gente bonita. (feios não são bem vindos)

Hoje resolvi abrir o baú de antiguidades e dei uma olhada nas interessantes sentenças para “leigos” aqui publicadas, onde os magistrados deixam de lado a formalidade abusiva e prolatam suas decisões de forma coloquial, para que todos possam entender com mais facilidade.

Querendo ou não, vivemos em uma “era jurídica” onde querem fazer transparecer que palavras são fonte de sabedoria. Do fundo do meu coração, sinto pena de quem acha que falar “bonito” demonstra alguma capacidade intelectual avançada. Falar difícil até meu papagaio sabe.



O que ocorre é que alguns assessores e estagiários que fazem as sentenças juízes gostam de fazer os “advogados pensarem”. O contrário também ocorre.
Todos abusam com dezenas de palavras em latim, além de bordões que só podem ter sido encontrados digitando: “sinônimo de: _____” no Google e escolhendo o mais difícil.

Devíamos tentar deixar isso um pouco de lado e viver na “realidade”.

Bem tua cara escrever que nem um retardado né” - Coxinha

Calma animal. Esqueçam recados do tipo: “INVASÃO!!! Oii amigaa eu too invadindu o teuu orkut soh pra falah que você eah amiguxxxa que eu amuuuuuuuu i amuuuuuuuu!!!” (desciclopedia mode on). Escrever coloquialmente nem sempre é escrever errado.

Claro que analfabetos funcionais são a grande maioria atualmente, hoje em dia 90% das pessoas normais que não vivem em manicômios, ou em penitenciárias e que não são burras a ponto de não saber mexer em um computador, conseguem entender o mínimo de qualquer coisa.

Porém no âmbito do Direito a porcentagem deve ser quase insignificante. Acho difícil alguém que não tenha a mínima noção de português ser contratada em algum estágio ou etc.


Vamos maneirar nos “palavrões” e fazer um Direito mais “saudável”.


Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism