JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

8 de ago de 2013

Por que o Direito tem que ser chato?

A gente sabe, e não é de hoje que existem algumas profissões mais divertidas que outras, mas na grandessíssima maioria das vezes a gente acaba trilhando um caminho diferente daquele planejado na infância ou adolescência.

É inegável que o curso de direito é apaixonante, intrigante, e possui uma bonita história, ademais, a carreira jurídica, seja advogando, “juizando” ou “promotorando” é deveras recompensadora e em determinados momentos chega a ser emocionante, mas ó, é chato!

A prova disso é que esta não é uma profissão que você diga quando criança: QUERO SER ADVOGADO! Porque né... Trabalhar o dia todo dentro em uma sala fechada, com uma gravata apertando o seu pescoço e olhando para um livro que pesa 2 quilos enche o saco.

Quando crianças, queremos nos divertir, então a gente busca profissões que nos encantem, e convenhamos que a imagem de um cara sentando no escritório usando um computador não encanta mais ninguém!

Na infância queremos ser astronautas, pilotos de corrida, jogador de futebol e coisas desse tipo, mas por inúmeras razões ou simplesmente por falta de competência, acabamos por trilhar outros caminhos e quando percebemos estamos matriculados no curso de direito.



Contudo, o curso de direito é chato pra cacete, e a vida pós faculdade também é, os formalismos, as regras e a arrogância daqueles que fazem parte do mundo jurídico atrapalham muito e criam barreiras que impedem os profissionais do direito a se divertirem enquanto trabalham.

Basta uma petição em forma de poesia para que os mais conservadores condenem o subscritor, basta um advogado chegar sem o paletó na audiência que um juiz qualquer vai dizer: veio à paisana hoje doutor? (eu já presenciei esta cena), e assim a chatice vai se perpetuando, e até mesmo aqueles que tentam mudar o direito, com o tempo passam a seguir o fluxo e se esquecem daquele tempo que sonhavam com um direito maroto e bacana.

Existem jovens advogados, ou ainda velhos advogados com a cabeça jovem que vem tentando mudar um pouco essa imagem, em alguns locais o home office é o que impera, em outros não existe a obrigação do terno, e outros você pode levar o seu cachorro junto e coisas assim vão aos poucos melhorando não só a profissão, como a qualidade de vida daqueles que vivem do direito, e isso vem dando muito certo.

Assim, eu conclamo, vamos revolucionar, vamos tentar fazer do direito um curso mais leve, façamos do direito um curso duplamente legal. Legal em razão das leis e legal no sentido de divertido.

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism