JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

9 de out de 2013

O que você seria se não tivesse cursado direito?

Sabe aquele dia que tá dando tudo errado no escritório, seu chefe pegando no seu pé, cliente te ligando e pedindo coisas impossíveis de se fazer, então você olha pela janela, vê aquele puta sol brilhando, e pensa: mas que merda eu estou fazendo aqui?

Certamente isso já aconteceu com você, e se eu estiver correto, não foi uma vez só, e aí, vossa pessoa pensa em inúmeras outras profissões que poderia ter seguido só pra não ter que passar por essas situações novamente.

Não que isso seja uma competição de frustrações, mas acho que ganho de quase todo mundo, e quando penso nisso fico mais chateado ainda, porque Direito não é a minha primeira faculdade, além disso, deixei uma vida de funcionário público federal pra ser advogado, assim, vez ou outra eu começo a achar que errei pela segunda vez, ao fazer a escolha pela advocacia.

estudio 03

Mas depois de respirar um pouquinho, mandar o chefe para a pqp em pensamento, começo a pensar que fiz a escolha certa (pelo menos eu quero acreditar nisso)mas mesmo assim, como exercício para me acalmar começo a pensar como seria minha vida, caso tivesse escolhido outra profissão.

Devo destacar ainda que não fui um desses que sempre sonhei em advogar, aliás o direito só passou a fazer parte dos meus planos pouco tempo atrás, assim, fico imaginando como seria linda a minha vida se eu fosse um piloto de fórmula 1, já pensou que lindo, viajando o mundo, ficando em hotéis finos, eventos da alta classe, modelos lindas e o trabalho seria só um bônus, aliás o bônus poderia ser dirigir uma Ferrari ou uma mclaren.

Mas aí eu penso um pouco mais, coloco-me num lugar mais modesto, afinal em um mundo com bilhões de pessoas, apenas 24 são pilotos, então, eu me volto para o desejo mais modesto, que era ser radialista, deve ser bem bacana trabalhar em uma rádio, ser apenas uma voz e não um rosto, ser conhecido e ao mesmo tempo não ser, poder falar sem ser visto e tal, sem contar que eu não ia ter que enfrentar juiz doido, cliente chato e chefe mala.

Tá, chefe mala a gente pode ter em qualquer lugar, inclusive em uma rádio, mas de resto, acho que deve ser mais divertido ser radialista do que advogado, além disso, pra ser radialista a gente não precisa passar 5 anos numa faculdade e nem fazer uma prova para a ordem dos radialistas do Brasil pra poder trabalhar, sem contar que eu poderia ter usado o dinheiro que investi na faculdade e nos livros pra comprar um carro muito mais legal do que o meu, fora as vodcas e cervejas importadas que eu teria comprado.

Mas aí eu abro a boca e percebo que não tenho voz marcante pra trabalhar em uma rádio, e volto meus olhos para a tela do computador e volto a fazer o meu agravo de instrumento contra despacho denegatório de seguimento de recurso extraordinário, porque o meu chefe mala já me perguntou 3 fucking vezes se eu já tinha terminado, porque o prazo fatal vence amanhã.

Agora digam vocês, se pudessem escolher outra profissão, qual seria?

AssinaturaLivan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism