JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

1 de nov de 2013

Diário de um Coxinha – Ela não estava grávida, ela estava gorda!

Salve! Gente marota do N.E.D. hoje tem o segundo texto da coluna mais participativa do blog, é o Diário de um Coxinha, onde você conta as histórias que quiser, pode falar mal da gente, contar um causo ou o que quiser.

Estudo mudar o nome da coluna para Você no N.E.D., porque assim como a primeira coluna, essa também não tá muito coxinha. Sem mais delongas, eis a história enviada pelo nobre causídico catarinense George Postai.

GravidaOlá, pessoas lindas, ricas e cultas do Não Entendo Direito! Eu também não entendo... até hoje. E olhe que já estou trabalhando neste ramo há pelo menos 15 anos.

Bom, todos temos um momento coxinha na seara jurídica. Eu, que frequentemente escrevo umas porcarias de contos jurídicos sobre os outros, resolvi dar a cara à tapa me expor e contar uma história bem coxinha que aconteceu comigo.

No início da carreira, passadas as primeiras audiências, eu já estava todo se achando a última coca-cola do deserto confiante para começar a relaxar mais, conversar com a parte inimiga contrária, perguntar sobre a vida do estagiário que digita a audiência e até arriscar bater um papo com o MM.

Com a certeza da causa ganha, primeiro equívoco do advogado, entrei na sala de audiências com minha cliente (ação de seguro de vida) e, ao sentar, resolvi cumprimentar a advogada que vinha com o representante da seguradora.

Como sou bem enxerido observador, vi que a tal advogada usada uma blusinha bem à vontade por cima da causa jeans, deixando supor que estava prenha grávida, devido à saliência ali contida.

Ainda que em voz baixa, fiz o comentário mais odiado pelas mulheres:

- Olha... você está grávida. Parabéns!

Sim, caro leitor... se você achou que eu me ferrei (não vou nem escrever a palavra que todos tiveram em mente), você acertou em cheio. Ela não estava grávida, eram as “bordas de catupiry” que estavam teimando em não entrar na calça jeans.

Ela me olhou com aquela cara de quem não se fez de entendida, disfarçou e me perguntou “Como?”, fingindo que não escutou direito.

Por sorte, o juiz já começou a falar aquelas porcarias sobre os benefícios da composição os trabalhos e tudo se resolveu. Bem, mais ou menos. Não teve acordo. De jeito nenhum...

Mas uma lição ficou: nunca mais pergunto se uma mulher está grávida!

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism