JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

7 de nov de 2013

Diário de um Postulante: Causos e crises existenciais.

E aí povos e povas que povoam o impovoável lugar ao sol, tudo em cima!? Sei que muitos de vocês se recordam da minha tão maravilhosa desventura narrada na coluna anterior, por isso trago-lhes boas notícias! Pelo menos para minha pessoa O XXXX (nome do curso suprimido, pelo dono do blog, porque no N.E.D. a gente não faz propaganda gratuita) está fazendo liquidação de cursos e eu já comprei o meu ÊÊÊÊÊÊÊÊÊ! Feeling like a boss.

Pois então, estou armada e poderosa que brega!, quase pronta pra desbancar a banca julgadora Hahaa. E como muitos de vocês já devem ter conhecimento, já está aberto o período de inscrição para a prova, é claro que eu já me inscrevi.

escolhas

Um fato interessante sobre minha inscrição é que ela me fez repensar minha vida e me trouxe um enorme sentimento de solidariedade, do tipo: porra, eu devia ter doado sangue! R$200, que isso minha gente!?

Não sei quanto a vocês, mas a proximidade da prova me faz pensar sobre que tipo de “Adêvogada” eu serei, e com certeza todos os fatos que me aconteceram durante minhas perambulanças pelos vários estágios por onde passei influenciam bastante minhas escolhas, pois acreditem-me, causos são o que não me faltam para contar.

Pensando nisso, ao som de Groundation para os que não conhecem, escutem, é uma ótima banda. E não, eu não fumo maconha!, e já que todos temos nossas crises existenciais, iniciei minha jornada no tempo, relembrando de tudo o que me acontecera e me perguntando com qual tranquilidade levaria minha vida, quando me lembrei de uns causos no mínimo engraçados quando não aterrorizantes que me ocorreram e como sei que todo mundo prefere terror menos eu, contarei um que me apavora até os dias atuais.

Certa vez, me encontrava eu linda, loira e maravilhosa numa sexta-feira (que não é o dia preferido dos estagiários da execução penal da Defensoria do DF, já que é o dia de fazer atendimento na tão famosa “Papuda”), iniciando o atendimento aos detentos sim, nós ficamos cara a cara com eles, quando de repente tem início uma movimentação anormal dos presos no pátio, já que eles se encontravam no banho de sol. Eu, claro, pensei: “Senhor, eu não quero morrer dentro de um presídio, no meio de uma rebelião!” Em questão de segundos, os agentes penitenciários nos colocaram pra fora do corredor e não bastasse já estar aterrorizada, no momento seguinte, passam carregando um detento que resolveu nada mais, nada menos do que contar o próprio pescoço com uma lâmina e engoli-lá (pasmem, ele engoliu o trem e não morreu ainda!).

Enfim, talvez para alguns não faça sentido eu contar uma história dessas aqui, mas o que eu quero dizer com isso: é importante que nós, que estamos tão próximos de ter nossa tão sonhada carteirinha rosa nas mãos, paremos para refletir sobre o que realmente esperamos de nossa carreira porque eu não sei vocês, mas eu quero ser rica e famosa haahaaa.

Tendo dito tudo isso, me vou, porque hoje e sempre estou com preguiça e quero dormir! Bazinga! Estudar, estudar e estudar! Bjo. Bjo. e se lembrem de fazer a inscrição!

AssinaturaFernanda

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism