JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

6 de dez de 2013

Reclamatório – Você confia em seus clientes?

Diz a “sabedoria popular” que não se deve confiar nos advogados. Não sei de onde surgiu essa fama linda que nós, os causídicos, possuímos, contudo, é isso que tem pra janta e a vida assim segue. Se você tá num baile no inferno, tire o capeta pra dançar! Porque não vai adiantar nada você brigar, querer provar por A mais B que os advogados são bons, caridosos, lindos, fofos e cheirosos.

Porém, minha gente supimpa, o que muitos não sabem ou não dizem, é que é mais complicado ainda confiar em um cliente.

Sim, é isso mesmo, é deveras difícil confiar nos clientes. Não que estes sejam pessoas desonestas, e dispostas a lhe sacanear (obviamente existe cliente assim), acontece que o cliente sempre acha que tem razão, afinal, se não fosse assim, ele não ia procurar um advogado pra preparar uma ação ou coisa do tipo.

Explico.

O cliente chega em seu magnífico escritório esbaforido e mais despenteado que o Berlusconi em dia de festa bunga bunga e diz que precisa de um advogado, e quer processar a vizinha, pois nunca em toda a vida, ele se sentira tão humilhado, e que ele foi ofendido, agredido só porque ele lavava o carro na calçada em um sábado.

bunga-bungasconi

Daí ele conta toda a história, você faz a petição, distribui, chega na audiência e descobre que não era bem aquilo, lá você percebe que ele lavava o carro com o som alto na porta da casa da vizinha e se recusou a tirar o carro para que ela saísse, e ainda jogou água na coitada e ainda a ofendeu chamando-a de velha gagá!

Neste momento meu caro, você se fodeu, porque confiou no que o cliente disse e correrá o sério risco de tomar esporro do juiz.

Obviamente que este é um caso extremo, e que advogados com um mínimo de experiência costumam usar da cautela nestes momentos e fazem o cliente assinar a petição junto (não gosto de usar esse artifício) e outros reduzem a termo as declarações e fazem o cliente assinar, pra comprovar a “veracidade” dos fatos.

Mas, até você provar pro eme eme que focinho de porco não é tomada, vai levar tempo, energia e paciência, assim, lhes digo que se os clientes não confiam em você, faça o mesmo, desconfie deles também.

AssinaturaLivan

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism