JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

14 de jan de 2014

ADVOGADA É AGREDIDA POR POLICIAL CIVIL NO CEARÁ

Uma advogada foi agredida e teve o nariz fraturado por um policial civil em frente à Delegacia Regional de Canindé, no Sertão Central do Ceará. O policial suspeito está afastado do cargo. Na sexta-feira (10), a advogada Elisângela dos Santos foi chamada por um cliente para comparecer à delegacia para providenciar a liberação de um caminhão que havia sido apreendido. De acordo com a advogada, o veículo havia sido comprado pelo cliente, mas na hora da abordagem ele estava sem a documentação da transação.

Elisângela conta que mesmo após a delegada Giselle Oliveira Martins constatar que não havia irregularidades com o veículo, o inspetor suspeito de agressão tentou impedir a liberação. “Quando nos dirigimos até o carro, ele começou a constranger e ameaçar o meu cliente. Retornei à delegacia, chamei a delegada e mostrei o que estava acontecendo. Ao retornar para o local onde estava ocorrendo a discussão, o inspetor cruzou os braços, veio em minha direção e deu uma cabeçada de cima para baixo, atingindo em cheio o meu nariz, que começou a sangrar. Voltei, pedi ajuda na delegacia e fui socorrida pela delegada”, conta. Advogada teve que passar por cirurgia.

O policial também responde três processos por abuso de autoridade, segundo a delegada. De acordo com um dos processos, o policial é suspeito de tentar extorquir dinheiro do irmão de um suspeito de tráfico de drogas. O grupo do qual ele é suspeito de participar exigiu R$ 10 mil para que os irmãos e a mãe do suspeito não fossem presos.

adv

A delegada Giselle determinou que a advogada realize exame de corpo de delito para que possa instaurar procedimento criminal pelo crime de lesão corporal. “Já estou ouvindo os depoimentos das testemunhas, e o relatório vai ser enviado para o Comando de Policiamento do Interior (CPI) e para a Controladoria de Disciplina da Polícia Civil para que seja instaurado o procedimento administrativo”, explica a delegada.

Além disso, segundo a delegada, foi enviado um Ofício de Apresentação para o CPI pedindo o afastamento do policial civil das atividades na Delegacia Regional de Canindé. “Ele vai deixar de fazer parte do quadro da delegacia, esse é o procedimento padrão nesses casos. Isso não significa que ele já esteja sendo penalizado, o que só vai ocorrer com a conclusão do inquérito.”

Fonte: G1

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism