JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

24 de jul de 2014

GOOGLE VENCE PROCESSO CONTRA A FAMÍLIA DE NISSIM OURFALI

Lembra do Nissim Ourfali, o garoto que quando “viaja, é irado, é dez”, e que acha que o melhor é quando “vamos pra baleia”? Pois bem: a Justiça de São Paulo decidiu que o vídeo que celebrava o bar-mitzvah do garoto e virou sensação na internet em 2012 deve permanecer no ar, não obedecendo à solicitação da família Ourfali, que tentava um processo contra o Google para remover o vídeo do YouTube.

Se você não lembra quem é Nissim, vamos lá: em 2012, o garoto de São Paulo virou ícone da web brasileira com um vídeo feito especialmente para seu bar-mitzvah. Com uma paródia de “What Makes You Beautiful”, canção da boy-band One Direction, o vídeo contava a história de Ourfali, com direito a efeitos especiais, fantasias e participações especiais da família. O vídeo virou sensação na rede depois que seu pai o colocou no YouTube e divulgou para alguns amigos, que distribuíram para outros amigos e transformaram a coisa num viral – o que irritou a família do garoto.

nissim

Em sequência, os Ourfali retiraram o vídeo do ar – o que não evitou que ele continuasse disponível na rede, com outros uploads – e processaram o Google, pedindo a remoção do vídeo da internet. Entretanto, o juiz Arthus Fucci Wady, da 1º Vara Cível de São Paulo, negou o pedido da família de Nissim, alegando ser impossível remover um conteúdo da rede sem a indicação direta de sua hospedagem.

Ainda que o vídeo contenha imagens de um menor de idade, a viralização do vídeo contou na decisão do juiz. “Para espanto do autor, a circulação do vídeo tomou proporções inimagináveis, à medida que o vídeo postado alcançou a impressionante marca de 3 milhões de visualizações”, diz o texto do acórdão.

A família ainda requisitou a remoção do YouTube, Orkut e Blogger de versões e paródias do vídeo de Nissim, o que foi considerado inviável pelo Google sem a indicação de endereços específicos. “Esse mesmo vídeo foi copiado e transformado em uma infinidade de outros produtos, tais como montagens e vídeos covers, além de jornais, blogs, programas de internet e televisão que comentaram o ocorrido. Cada um desses novos ‘produtos’ foram, por sua vez, novamente replicados, copiados e alterados provocando um efeito em cadeia incontrolável”, diz o juiz.

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism