JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

27 de nov de 2014

DIÁRIO DE UMA DOUTORA – ELES, OS JUÍZES, VISTOS POR UMA ADVOGADA

Faaaaaala, meuzamiguinho e minhazamiguinha! Tudo bem com vocês? Sentiram minha falta na última semana? Não sei se alguém percebeu (espero que alguém tenha notado e quiçá sentido falta), mas não teve coluna. E serei sincera: não foi por falta de tempo por ser uma advogada ocupadíssima, cheia de causas e muito solicitada pelos clientes. Não...é porque faltou assunto mesmo sobre o que escrever.

Daí que hoje resolvi escrever sobre algo que tenho pensado há um certo tempo: a visão que eu tenho sobre os juízes. Tá certo que o que eu acho pouco importa, mas como sou eu quem escreve essa coluna, é isso aqui que tem pra hoje.

Vocês perceberam que sempre tem alguém falando de algum juiz em qualquer canto, de qualquer fórum do país? Na maioria das vezes, o que se fala não é lá muito agradável. Muitos advogados criticam juízes. E eu não vou ser hipócrita e dizer que não critico. Eu critico sim! Muitos vêem o juiz como "o cara que está lá para atrapalhar a coisa toda". E o pior que eu devo concordar com isso em algumas situações. Há juízes que atrapalham ao máximo tudo. São chatos, apegados a coisas bobas, xaropes e que sim, parecem querer atrapalhar ao máximo a busca pela causa vencida.

Eu já quis ser juíza. Mas, olha, isso era antes de começar o curso de Direito. Depois que eu descobri que a vida de um juiz não é aquela maravilha que a maioria das pessoas acha que é, eu acabei desistindo. E não é só pela enorme responsabilidade, exposição e quantidade de trabalho, é porque eu acredito que juízes devem ter uma imagem que passe uma certa sobriedade e austeridade.

Figura-da-LEGO-minifigures-serie-9-Judge-Brinquedos-Jogos_434955056_3

E, gente, quem me conhece, sabe que este não é o meu perfil. Já imaginei como seria se eu fosse juíza. Eu sou muito legalzona. Chego conversando com as pessoas nos  lugares, dou risada, faço graça, ofereço comida. Imagine alguém entrando no meu gabinete? Seria super bem recepcionado, iria servir uma fatia de um bolo que eu mesma fiz e perguntar: "o que te traz aqui, meu querido?". E ah...eu também iria estar com a página do NED aberta, perguntando se a pessoa já conhece esse povo muito louco que faz piada com as paradas do mundo jurídico. Quer dizer: não faço o perfil, não combino. O juiz não precisa ser alguém rude, muito pelo contrário, mas não pode, praticamente, ser candidato a Miss Simpatia da paróquia. Um certo distanciamento tem de haver, até mesmo por respeito à função que é exercida. Um juiz não pode mostrar predileção por algum lado, precisa ser imparcial, característica que eu também não tenho. Percebi que sou tendenciosa. Abraço causas, ideias e sou meio cabeça dura. Defendo um ponto de vista até o fim, mesmo que esteja errada. Morro errada, sabe?

Percebo que as pessoas têm uma tendência a pensar que os juízes devem agir de uma determinada maneira pré-estabelecida. Espera-se muito destes que passaram por um difícil concurso e alcançaram a aprovação. Vocês viram o caso do juiz que postou uma foto sua fazendo um number two e com a legenda: "juiz também caga"? Ele estava mostrando que juiz não é Deus e que até caga. Tem atitude mais humana que o ato de cagar?

Acho interessante esse tipo de atitude. Pra quem não sabe, juiz também tem aparelho excretor (que não reproduz... muito importante lembrar). E é necessário contestar algumas visões, de que " juiz é Deus", por exemplo. Não é, apesar de um tribunal ter considerado o contrário recentemente.

Tenho amigas juízas, um tio já foi juiz e olha, garanto a vocês, são pessoas normais, viu? Eles também têm sentimentos, sabe? Têm seus momentos de descontração e "saem da função" quando estão entre amigos e familiares, diferentemente de muitos advogados que eu conheço, que não esquecem disso nem por um momento e o pior, não deixam qualquer pessoa em volta esquecer.

Espero, como advogada, encontrar mais juízes como eles, que não sofram da famosa "juizite" e que tenham consciência da importância do cargo que exercem, que façam isso com responsabilidade, entendendo que são instrumentos realização da Justiça, assim como os advogados. E ah... se eu mudar de ideia e resolver me dedicar a estudar para me tornar uma juíza e, se conseguir, espero vocês no meu gabinete pra comer um pedaço de bolo de chocolate, ver a página do NED e discutir sobre algum processo. Beijinho pra vocês e até mais!

Assinatura Carol

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism