JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

28 de jan de 2015

DIÁRIO DE UMA DOUTORA–APRESENTANDO DAIANE LUZ

Primeiramente, um salve para Nação Fundística do blog mais divertido do mundo jurídico. Gostaria de dizer que estou feliz de voltar a escrever-lhes, não mais como Postulante à OAB, mas como detentora de uma carteirinha cor-de-rosa já pelo segundo ano consecutivo (sem morrer), e de um carnê (do baú) da anuidade do órgão de classe!

Segundamente, informo-lhes que “eu cresci” igual a Kelly Key (não gostosa como ela), mas continuo a mesma viciada em cerveja, bares, baladas, meu time de futebol e boas companhias, e, mesmo vivendo na Vida Loka, continuo apaixonada pelo Direito!

Muitos de meus pensamentos e ideias evoluiram também com o passar desses anos, entre acadêmica e advogada. Quando eu achava que o último ano de faculdade era o inferno na terra, é porque ainda não conhecia o primeiro ano depois da faculdade. Foi o inferno na terra acompanhado do Sr. Capeta arrancando minhas unhas com uma tesoura sem fio. Mesmo assim continuei (e continuo) firme.

10913471_750167518399040_1026412632_n

Lembrei-me que no discurso da minha colação de grau havia dito que éramos corajosos em termos escolhido o Direito, ou quem sabe de termos deixado que ele nos escolhesse. Nunca a frase que, em caligrafia dourada estampava o Núcleo de Prática Jurídica da minha Universidade fez tanto sentido: "A advocacia não é profissão para covardes". Sobral Pinto é nome dele!

Passei a admirar cada vez mais os advogados e advogadas do Brasil, que trabalham muito mais que 8 horas por dia, conciliam estudo com o trabalho, pois o advogado deve manter-se atualizado constantemente. Equilibram-se em 24 horas diárias para resolver o problemas dos outros e ao mesmo tempo os problemas pessoais. São muitas vezes mal remunerados pelo trabalho desempenhado, tal qual vemos todos os dias colegas que realizam as chamadas "diligências" por R$ 20,00 (vinte reais).

Passei, em verdade, a sentir orgulho da minha profissão, tanto quanto eu sentia de estudar Direito!

Assim, após o discurso melancólico e ao mesmo tempo orgulhoso, peço que continuem sendo gentis como sempre foram. Tentarei trazer-lhes textos mais adultos (+18), informativos, opinativos, alguns da experiência advocatícia e alguns sem sentido, mas todos com uma pitada cômica, sempre que puder, afinal, esse é o objetivo (dessaporrra) desse Blog Jurídico de Humor!

Terceiramente, a Vida é Loka e nela eu tô de passagem!

DaianeLuz

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism