JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

27 de fev de 2015

ABANDONO DA CAUSA – COMO EXPLICAR PORQUE DESISTI DO DIREITO?

Oiii pessoas bonitas, como estão? Recuperados do carnaval e das piadinhas sobre “agora sim o ano começa”? Prontos para começar definitivamente o ano pós folia? Pois é pessoal, para muitas pessoas o ano só começa agora, mesmo que, para tantas outras, já tenha acontecido tanta coisa nesses quase dois meses.

Eu, por exemplo, também faço parte do segundo grupo. E de todas as coisas que aconteceram, o começo das aulas no novo curso foi uma das coisa mais esperadas.

E semana passada, logo depois da quarta feira de cinzas, chegou o tão esperado dia: o dia de pisar em uma nova faculdade, completamente diferente, pela segunda vez. Não vou mentir para vocês: eu estava morrendo de medo de me sentir totalmente avulsa nesse novo ambiente!

Essa história de que a gente tem mais facilidade na faculdade quando já cursamos outra só se aplica à algumas coisas. Mas, por sorte, esses primeiros dias foram bastante animadores!

Logo na primeira aula, de língua portuguesa, tivemos que nos apresentar e contar o porquê de termos escolhido o jornalismo como carreira. Resultado: primeira dificuldade do curso

Como alguém, formada em Direito, que também gosta dos assuntos do nosso mundo jurídico, pode explicar em um pouco mais de 30 segundos o motivo de ter escolhido fazer outra faculdade?

Será que eles teriam um tempinho para sentarmos e tomarmos um longo café enquanto eu contaria essa história desde o começo? Desde quando eu estava fazendo a inscrição no vestibular ou já nas aulas? Pois é. Não é fácil conseguir explicar o que se passa pela nossa cabeça quando tomamos esse tipo de decisão - não é fácil nem aqui por essa coluna, imagina, então, em frente a tantos rostos desconhecidos te olhando de todas as formas, das admiradas, das julgadoras e das de apoio.

11012216_852282384818401_2104279491_n

Enquanto meus outros colegas davam as mais variadas respostas, pensei no que poderia dizer. Alguns deles tão seguros do que queriam e outros ainda tão perdidos como eu estava naquela idade também. Na minha hora de falar, obviamente esqueci toda a fala que tinha planejado, então, saiu uma frase tão sincera quanto à qualquer outra desculpa ou história que poderia contar. Eu queria me encontrar, encontrar o meu lugar em algo que me fizesse feliz, independente do dinheiro, de dificuldades ou prestígio. Eu escolhi me dar uma chance de não me arrepender de não ter tentado, e só isso. Afinal, todo mundo tem esse direito, não é?

Quando saí da sala, conversei com um novo colega que estava achando toda aquela história de justificativas muito aterrorizantes. "E se meus planos não darem certo?"; "E se eu estiver no caminho errado?".

O que respondi a ele e deixo aqui gravado a quem interessar é: dê tempo ao tempo. Só o tempo moldará suas vontades, suas vivências e suas expectativas! As respostas demoram muito para chegar e a gente precisa ter paciência para enxergá-las da forma correta.
De qualquer forma, me impressionei com meus novos colegas, com a forma que muitos deles veem as escolhas da vida, da maneira com que pensam e tem aquele brilho nos olhos, ansiosos pelo próximo passo. Eu acho que, no fundo, é esse brilho no olhar, que espera pela próxima etapa da sua vida que não podemos perder.

Bem pessoal, agora está na hora de dormir que amanhã tem labuta e mais um dia de aula para depois contar as novidades a vocês :-) Espero todos na próxima semana! Neste mesmo canal e neste mesmo horário!
Cruj cruj cruj, tchau!

Assinatura Carol

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism