JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

13 de fev de 2015

ABANDONO DA CAUSA – SE VOCÊ É JOVEM AINDA, AMANHÃ VELHO SERÁ

Olá meus queridos, tudo bem com vocês??? Cá estou novamente em mais um texto para esta linda coluna que vocês toleram acompanham. Esta semana resolvi dar uma pausa na história sobre todo aquele processo que passei até, definitivamente, escolher passear por outra área que não fosse o Direito, para contar a mais recente novidade: a nova faculdade começou!

Para quem não leu os textos das últimas semanas, no final de 2014 prestei vestibular para a faculdade de jornalismo e passei. Sempre foi uma vontade enorme aqui dentro (e também, uma grande curiosidade) cursar jornalismo, independente de valorização de carreira, de salário ou qualquer outra coisa, essa foi a minha escolha (e como já disse, escolha essa gerada após muito tempo de longas tentativas na vida jurídica).

Enfim, voltando ao assunto, essa foi a primeira semana na nova faculdade. Confesso ter me sentido como me senti naquele primeiro dia de aula no curso de Direito: tive medo de não me encaixar, medo de não me dar bem com ninguém, medo de achar tudo uma bos...besteira e sair correndo. Mas essa não foi a realidade (ainda bem!). A verdade é que saímos da primeira faculdade nos sentindo novos demais para aquela rotina adulta cheia de responsabilidades e calça social, mas, junto à nossa escolha, entramos na nova faculdade velhos demais para acompanhar as músicas da moda, na cerveja daquele bar onde se mata aula ou na empolgação por todas as festas que estão por vir. Porém, por outro lado, descobrimos lá no fundo, um amadurecimento que nos dá força para encarar os novos desafios, nos encaixarmos em qualquer grupo, de qualquer idade, e abrir a nossa cabeça.

10967905_845128518867121_1673013067_n

Por pura sorte, encontrei um pessoal bem bacana, porém, bem mais novos do que eu. Isso não é ruim, de verdade, apesar de ter ficado inicialmente com bastante medo de não ter assunto ou afeição com essa galera. A verdade é que, na idade deles, eu era muito mais criança do que qualquer um ali. Olho aqueles rostinhos felizes, de olhos brilhantes vendo o vídeo da faculdade, e vejo que ali existe muita gente bacana, inteligente e que gosta das mesmas coisas que eu. Nos divertimos, demos risadas e conversamos bastante. Eu entendendo um pouco sobre eles e eles entendendo um pouco sobre mim, como uma verdadeira troca.

Sabe aquela musiquinha do Chaves que fala sobre guardar no coração uma juventude que nunca morrerá? Acho que, mais do que nunca, o Chaves tem razão. Não que eu seja velha, longe disso (já que estou com meus pezinhos no 25º ano), mas é impressionante como alguns anos podem mudar a nossa cabeça e o nosso jeito de ver as coisas. Como a gente pode se sentir muito mais velho perto do pessoal alguns anos mais novinhos, nos fazendo sentir até um pouco por fora do grupo, mas que, na verdade, é tudo coisa da nossa cabeça. Que no fundo, querer manter-se jovem de espírito entra em conflito com todas aquelas nossa lições e “”batimento de cara” que já passamos nos últimos 5 anos com aqueles trabalhos intermináveis de Direito do Trabalho e com os estudos para a OAB e, no final, eles acabam se dando bem.

Sou da opinião de que, quem já passou por uma faculdade de Direito, prova da OAB e viu o andamento da nossa justiça e de nossas leis de perto consegue fazer o que quiser profissionalmente e intelectualmente.

Olho no espelho e vejo a menina-mulher que acabou de entrar em uma outra faculdade mesmo já tendo aprendido tanto em uma primeira área, que não usa as roupas da moda descolada, mas que traz em si tantas coisas que já aprendeu que só quer passar para frente e provar, por “a mais b”, que ainda é capaz de escolher o rumo para sua própria vida. Idade é só um detalhe para quem toma essa decisão, ou outras decisões importantes como mudar de carreira depois de alguns anos, profissionalizar-se em alguma área, entre tantos outro desafios que vemos no dia a dia. Não estou, nem de longe, incentivando qualquer um de vocês a largar a carreira, mas que apenas possam ser felizes no que fazem da vida, independente de idade ou outros detalhes assim.

Bem pessoal, é isso! Semana que vem tem mais aula e mais texto por aqui (se vocês deixarem e curtirem, né J ?)

Beijo grande e até lá!

Assinatura Carol

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism