JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

19 de fev de 2015

CACHORRO “PERDE” PROCESSO EM SANTA CATARINA

Um cachorro chamado Scooby Doo, que havia sofrido maus tratos de seu antigo dono, ‘perdeu’ um processo em Santa Catarina. O Tribunal de Justiça do Estado indeferiu um dos pedidos da ação civil pública movida pelo Ministério Público contra o antigo dono do animal.

A Promotoria queria o pagamento de uma indenização por danos morais individuais e coletivos ao cão. Os individuais foram recusados. A ação prosseguirá apenas em relação ao pedido de danos morais coletivos. O Ministério Público quer que o antigo dono pague 10 salários mínimos para centro de bem estar animal ou para o Fundo de Reconstituição dos Bens Lesados do Estado de Santa Catarina.

Segundo a petição inicial, o cachorro ficou preso a uma árvore, sem água e alimentação, durante as ausências de seu dono. Ele contraiu miíase, doença que não foi tratada, e teve uma das patas amputadas.

cão

“A conduta cruel contra animais é medida que deve ser reprimida com vigor, haja vista a existência de legislação protetiva que prevê punição para o tratamento brutal de animais, não apenas na esfera penal, mas também na esfera cível, uma vez que a própria lei da ação civil pública prevê seu manejo para a defesa do meio ambiente, ai incluída a defesa da Fauna”, disse o Ministério Público na denúncia.

A Corte entendeu, no entanto, que as leis brasileiras não consideram os animais sujeitos de direito no âmbito civil, não autorizando a reparação de seus interesses mediante indenização por danos morais. Assim, a tutela do bem-estar dos integrantes da fauna ocorre somente mediante imposição de sanções administrativas ou penais, o que impede o processamento do pedido ministerial.

“A ordem jurídica brasileira ainda não alcançou o patamar de reconhecer os animais como sujeitos de direito em condições de igualdade com os seres humanos. Ainda reconhecemos a nós mesmos direitos que não conferimos aos integrantes da fauna, como, por exemplo, a reparação do dano moral, aqui pretendida”, registrou o desembargador Sérgio Izidoro Heil.

Fonte: Estadão

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism