JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

7 de abr de 2015

ADVOGADA DO GOOGLE TEVE QUE FAZER UM CONTRATO EM QUE VENDIA UMA ALMA AO DIABO

As empresas e startups de tecnologia dos Estados Unidos são conhecidas pelos processos seletivos pouco ortodoxos e entrevistas de emprego completamente imprevisíveis. Mas poucas delas devem superar, pelo menos no aspecto do inesperado, o que aconteceu com uma advogada que disputava uma vaga de trabalho no Google.

Durante os primeiros cinco anos da gigante das buscas, os cofundadores Larry Page e Sergey Brin se esforçavam para estar (pelo menos um deles) presentes nas entrevistas de quase todos os funcionários contratados pela empresa.

Em 2002, o Google precisava de um advogado para sua equipe jurídica. Uma bacharel recém formada em Harvard, Alisa Lee, conseguiu progredir no processo seletivo e foi chamada para uma entrevista com Sergei Brin e o chefe do corpo jurídico do Google, o advogado David Drummond.

1

Como em toda entrevista de emprego, Brin decidiu testar os conhecimentos técnicos de Lee. “Preciso que você me redija um contrato. Não gaste muito tempo nele. Escreva e depois mande para mim e David para que possamos avaliar seu trabalho”, disse o cofundador a Lee.

Mas o impressionante foi o teor do contrato: “Preciso que ele estabeleça as condições da venda de minha alma ao diabo”.

Lee teve 30 minutos para redigir o texto. Ela ficou tão impressionada com o tema que se esqueceu de perguntar a Brin os detalhes da peça, como o que ele queria em troca por sua alma.

“Ele procurava alguém que pudesse executar tarefas pouco convencionais e conseguisse prosperar no processo de fazer algo inesperado”, afirma Lee em Googled, livro de Ken Auletta, repórter da New Yorker, recém lançado no Brasil.

Mas o esforço compensou: Lee conseguiu o emprego e ficou no Google por sete anos, até 2009.

Fonte: Info

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism