JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

15 de abr de 2015

DIÁRIO DE UM ESTAGIÁRIO – APRESENTAÇÕES

Olá pobres nobres causídicos do mundo jurídico!!

Primeiramente, acho importante pontuar o meu cumprimento, não direcionei diretamente a maior classe e detentora de notório saber jurídico, nós estagiários, pois, apesar de ser a primeira coluna, resolvi generalizar, haja vista, que não é todo dia que um texto batuta e legal como este, vai para o ar.

Alguns de vocês já devem ter visto meu nome por aqui, no blog ou na página do facebook. Entrei no NED a pouco mais de um ano e, somente agora, recebi a difícil missão, depois de tanto implorar, de substituir os ilustres escraviários que já passaram por aqui.

De acordo com a certidão de nascimento, me chamo Anderson Gabriel, 20 anos, solteiro sim, sozinho nunca e apresentar-me nunca foi meu forte, mas como faz parte do oficio, avante.

Sou natural de uma cidadezinha chamada Curvelo, com média de 77.000 habitantes e aproximadamente à 170 km da capital mineira, Belo Horizonte. Porém, por força do destino e dos meus anseios, atualmente resido na terra da garoa, São Paulo-Capital, onde decidi (em futuro BEM distante) casar, ter dois filhos e um cachorro.

Falar de mim, seria basicamente falar de sonhos (mas não acredito em Papai Noel, muito menos em um judiciário onde os processos sejam analisados, julgados e realizados de forma rápida), metas e muitas histórias as quais pretendo compartilhar com vocês.

O direito!? Surgiu ainda no ensino médio em um júri simulado, quando estudávamos a Era Vargas, (bejô Denise, minha professora de História), onde protagonizei papel de advogado de acusação e obtive êxito com a sentença favorável. (Coxinha não, a juíza era uma “amiga” minha) haha.. Assim, nasceu a vontade de fazer na realidade.

PRAZER

Porém, todavia, entretanto, até o final do ensino médio, vivi crises de não saber o que fazer, pensei em gastronomia, engenharia de alimentos, jornalismo, administração etc., etc., exceto matemática, física e química.

Mas o que é para ser, não tem jeito. Após muita pesquisa, empurrões e vontade própria, comecei a cursar o maior de todos os cursos, Direito, em meados de junho de 2013.

Sempre tive e ainda tenho medo, bem como, sempre soube que como TODAS as áreas, o Direito não é somente um mar de rosas, mas eu gostei e gosto saporra. Me identifiquei de tal forma, que apesar das dificuldades durante o curso e após (só pesquisar na Catho), utilizo de uma frase que já devem ter visto na Page, de um seguidor assíduo, “Só tem vida dura, quem não se esforça” haha, então, força na peruca e muito café, pois o que vier, vai ser consequência do hoje.

Comecei a estagiar em outubro do mesmo ano que comecei a faculdade, (sim, é difícil, mas é possível) em um escritório na área de Direito do Consumidor e após 6 meses, fui promovido (eu sou foda), sem aumento de salário (não sou mais foda) e entrei na vida loka dos contratos, societário e contencioso de massa, onde contarei vários causos em uma próxima oportunidade.

Depois de algum tempo, li um artigo, onde dizia que, para se tornar um bom profissional do direito, o ideal seria que o quanto antes o estudante escolhesse/definisse a área cujo gostaria seguir. A partir daí, (não sou quase nada ansioso) comecei a pesquisar as possíveis áreas do meu interesse, nada fácil para quem está começando, mas também falaremos disso em breve.

Depois de algumas noites terem se tornado dia e alguns finais de semana uma segunda feira, foquei em três áreas para seguir e consequentemente, realizar estágio também.

Atualmente e a pouco tempo, faço estágio em uma empresa, em uma das possíveis áreas da minha vida e apesar de ainda não ter aprendido tudo e ser tudo novo, estou gostando pra caramba.

Enfim, é muita coisa para contar para vocês, mas prometo tentar (pelo menos nos próximos textos) ser mais breve e objetivo. Espero que gostem e “tamo ai”. Podem curtir, comentar, perguntar, criticar, contar as experiências, erros, seja por mensagem, e-mail’s. Só não vale mandar solicitação de amizade no face sem antes vim falar comigo, porque não adiciono quem eu não conheço. (Chato não, precavido).

Antecipadamente, peço desculpas por eventuais erros ortográficos, cálculos, planilhas, e ou errinhos besta mesmo, neste texto e nos que virão. Estagiário não erra, apenas se equivoca e no meu bairro ainda não tem franquia Kumon.

Beijo para quem é de beijo e abraço para quem é de abraço.

Anderson Gabriel

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism