JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

21 de ago de 2015

OAB ENTROU NA JUSTIÇA ERRADA CONTRA REDUÇÃO DE VELOCIDADE NAS MARGINAIS

As funções desempenhadas pela Ordem dos Advogados do Brasil apresentam natureza federal e, por isso, a entidade não pode apresentar ações na Justiça estadual. Assim entendeu o juiz Anderson Suzuki, da 11ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, ao rejeitar ação civil pública assinada pela seccional paulista contra a redução na velocidade de vias da capital.

A mudança nas marginais Tietê e Pinheiros foi determinada em julho pela gestão Fernando Haddad (PT). O limite na pista expressa passou de 90 km/h para 70 km/h. Segundo a Companhia de Engenharia e Tráfego (CET), vários acidentes nessas vias poderiam ter sido evitados se veículos trafegassem em velocidade menor.

ZERO

Para o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, a medida deveria ter passado por um período experimental de no mínimo três meses antes que começassem as multas a motoristas. A seccional entende ainda que não houve debate prévio com a população nem foi feito estudo técnico capaz de demonstrar a necessidade da redução.

Nos autos, a prefeitura alegou que só a Justiça Federal teria competência para julgar a questão. Já a OAB-SP disse que poderia provocar o juízo estadual com base no local do dano questionado.

O juiz apontou que havia divergência no mundo jurídico quando, em 2006, o Supremo Tribunal Federal classificou a OAB como um serviço público independente, e não uma autarquia (ADI 3.026). Suzuki aponta, no entanto, que a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça já resolveu a confusão ao considerar que presidentes de seccionais exercem função delegada federal (AgRg no REsp 1.255.052).

“Não há como conceber que a defesa do Estado Democrático de Direito, dos direitos fundamentais etc. e a regulação da profissional dos advogados constituam atribuições delegadas pelos Estados Membros”, afirma o acórdão.

Suzuki escreveu ainda que outras ações de interesse da Ordem já são distribuídas em varas federais, como cobranças de execuções das contribuições de seus membros e ações civis públicas contra o exercício ilegal da advocacia.

Longo período
O presidente da Comissão de Estudos Constitucionais da OAB-SP, Marcelo Figueiredo, reclama que o juiz demorou quase um mês para decidir enviar os autos, quando a entidade espera uma liminar para suspender a mudança de velocidade imediatamente.

Ele reconhece que há correntes divergentes sobre a competência. Embora ainda defenda que litígios com o município deveriam correr na Justiça estadual, Figueiredo avalia que a Ordem não deve recorrer da decisão, pois a principal meta é conseguir decisão em curto período.

Fonte: Conjur

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism