JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

25 de ago de 2015

PALAVRAS DE UM JOVEM ADVOGADO: DESAPEGA, DESAPEGA…

Todos possuímos um sonhos, alguns desejam se tornar astronautas, pilotos de caça da força aérea brasileira ou um piloto de stock car. Alguns até mais singelos preferem algo que mantenha os pés e a cabeça no chão, como investigar a natureza e as causas da doença do corpo humano; ter fé e certeza que tudo é válido para ensinar outro ser humano, escolhem ser professores; outros já preferem a tecnologia, computadores e smartphone. Por fim, em último lugar, mas não menos importante, já que desbravamos as leis, lutamos por ideais e pela aplicação da norma de forma correta e efetiva, buscamos e almejamos a Justiça em seu conceito mais puro e maravilhoso, somos os operadores do direito, em seu conceito amplo.

Estudamos cerca de cinco anos, alguns mais ... outros menos. Nos deparamos com professores complexos que levam os problemas pessoas e profissionais (como advogados, juízes e promotores etc) para dentro da sala de aula e no lugar de nos ensinar a aplicação daquela norma tão bela, nos causa certo desconforto com suas narrativas e afirmações. Doutra banda, temos aqueles educador que de forma simples chega e rouba nossos corações, nos faz viver aquele morrer intenso dos filmes da Disney com direito a princesa, príncipe, cavalo branco e a bruxa do mal que podemos traduzir como a prova da OAB. Superamos, nos tornamos ADVOGATOS!

Nem todos possuem a mesma facilidade para entrar no mercado de trabalho. Alguns têm familiares, enquanto outros metem a cara no escritório próprio logo no princípio da carreira, se depara com: a) anuidade da OAB, b) Alvará Municipal, c) ISSQN, d) INSS e sabe-se lá o que mais pode ser instituído com esses tributos e esse tal de Poder de Polícia aí ... É complicado, burocrático e desanimador, mas novamente somos guerreiros e após ter enfrentado tudo aquilo que já superamos, estamos aqui trabalhando incansavelmente, de segunda a sexta, sábado ou domingo, das 08h às 18h, 19h, 20h, 21,22h ou mais. Horário de almoço e de janta? Quando der tempo. Enfim, após algumas batalhas, temos clientes.

Vamos ganhar dinheiro! #sóquenão Apesar de tudo isso aí que já superamos, na minha humilde opinião, vêm a parte mais complicada (okay, a gente rala e paga a anuidade, tem até desconto; paga o iss, o inss, o alvará, o combustível – se você tiver o pai que empresa o carro, a energia elétrica e água. UFA! Ah, não esqueça dos móveis que adquiriu e do aluguel no começo do mês). Tudo bem, estamos firmes e forte. Afinal, sempre sonhamos (ei) com a profissão, usar terno e gravata, parar meu carro grande preto e brilhante na porta do fórum, ter clientes, trabalhar e se sentir realizado. Opa, cadê o Poder Judiciário aí? PoisÉJosé.

Conseguimos nossos clientes, estamos em um escritório, nos tornamos meio que sócios ... somos do interior, não temos salário fixo e recebemos o que e quando o processo finalizar. Aí vêm meu desabafo: Uma indenizatória no JEC que permanece na “conclusão” para um despacho de “determino a realização de audiência de instrução e julgamento para o dia X” há aproximadamente 02 (dois) meses (30/06/2015 – 24/08/2015) não, não foi despachado ainda, estou escrevendo isso nesse último dia. Ou então um outro que fica mais de 01 (um) mês para a juíza assinar um ofício onde foi determinada liminar; 04 (quatro) meses para “Cadastre-se o incidente de cumprimento de sentença, intime-se o réu na pessoa de seu patrono, via DJE”; Tudo parado há muito tempo, o recém advogado sem ganhar, com despesas que não param de vir e ai? Vou desistir da advocacia. Não, sou forte ... vou continuar. Bom, no lugar de cobrar um pouco além da tabela, vou cobrar o mínimo, vão chover clientes UHUL! “Poxa Doutor, o adivogadu alí da esquina me fez 500,00 conto!” OI? Tá, vou desistir.

sadlaw

Não é a qualidade do profissional que cai, é sua vontade de ser um bom profissional. Cada dia que passa converso com mais e mais colegas inteligentes, ótimos profissionais, éticos e honestos que desistem de advogar diante da grande dificuldade que enfrentamos hoje em dia e preferem prestar concurso. Diante da Justiça lenta e ineficaz, da falta de ética profissional, da dificuldade de manter ganho médio mensal suficiente para cobrir as despesas e comer uma coxinha no fim do expediente na sexta-feira. (Não preciso chorar tanto) Mas sério, eu não ganho meus R$ 20.000,00 (vinte mil reais) fixo no fim do mês como alguns, tenho que trabalhar, lutar, quebrar a cabeça, acordar cedo e dormir tarde. Não posso ultrapassar meus 15 dias para apresentar contestação e nem ficar 1 mês e 10 dias com carga do processo. Tenho que respeitar as normas e a lei, algo dentro de mim me impõe isso, chama-se caráter.

Acumulo? Sim, eu sei. Conversava com um Juiz aposentado esses dias e a Comarca que o mesmo atuava era ágil com decisões fundamentadas e os processos pareciam que estava na formula 1, ouvia-se até o VRRRRRUM. Hoje a Comarca é capenga, morosa e lenta. Ele aposentou tem 3 meses. Tem uma outra onde estou atuando, há algum tempo era rápido e os advogados tinham acesso aos Magistrados e Chefes de Cartório ... tudo mudou. Magistrados? Só em audiência, te recebe poucas vezes para despachar com cara feia e antes de você começar a falar já bateu o carimbo e escreveu “J. CONCLUSOS”, não gostam de ouvir testemunha e são pouco amigáveis. Resultado? Os exemplos acima. Já os Chefes de Cartório coitados, tudo estoura pro lado deles que, inclusive, já colocaram seus cargos à disposição. É uma guerra entre servidores e advogados.

Advogar é bom, é lindo, é prazeroso, é cativante. Mas tenha calma, vontade, tempo e um pai. Não desanime.

21h13, estou no escritório, onde cheguei às 08h, fazendo contrarrazões de apelação e em agosto ganhei R$ 750,00.

Reclamatório

Texto enviado por um jovem advogado que preferiu não se identificar.

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism