JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

30 de out de 2015

MÃE DIZ QUE VAI ACIONAR JUSTIÇA CONTRA ESCOLA ONDE VÍDEO FOI FILMADO

Um vídeo feito dentro de uma escola municipal mostra um menino de 7 anos, aluno do 1º ano do Ensino Fundamental em Macaé, no interior do Rio, jogando materiais no chão. As imagens foram divulgadas na internet e mostram a criança derrubando móveis e objetos sem ser interrompida. De acordo com a mãe do aluno, o caso aconteceu na terça-feira (27) e ela acredita que as imagens foram gravadas pela diretora da escola. A Secretaria de Educação solicitou a abertura de um inquérito administrativo e solicitou o afastamento da direção geral da unidade municipal.

A mãe, que trabalha em uma empresa de limpeza no período noturno, explicou em entrevista aoG1 que durante dois dias na semana deixa seu filho sob a responsabilidade de uma cuidadora e que a pessoa não relatou nenhum comportamento diferente do menino nesse dia, antes de ir para a escola. A mãe ainda falou que desconhece os motivos que podem ter feito o menino a agir de tal forma.

“Ele é calmo e não possui nenhum problema mental. Eu nunca percebi nenhum comportamento fora do normal”, disse ela, acrescentando: “acho um absurdo a atitude de filmar e ainda divulgar as imagens do meu filho. As pessoas estão julgando, xingando e falando dele como se fosse um marginal, e se referem a mim como sendo negligente”, desabafou a mulher, que irá procurar um advogado para processar a unidade escolar por exposição da criança.

O aluno recebeu suspensão por três dias e a mãe ainda estuda se vai solicitar a transferência dele para outra unidade escolar. Ainda na manhã desta quinta-feira (29), o menino irá ao psicólogo e, à tarde, a mãe irá participar de uma reunião com o Conselho Tutelar e representantes da escola.
A mãe relatou que quando chegou à escola na manhã da terça-feira (27), após chamado da direção, encontrou o filho muito agitado, mas que, ao abraçá-lo e conversar, ele se acalmou. “Ele disse que estava nervoso porque os meninos maiores da escola estavam implicando e batendo nele”, confessou a mãe, que possui outros dois filhos (de 14 e 21 anos) que moram com o pai na Bahia.

A Prefeitura de Macaé afirma que em nenhum momento o aluno foi agredido fisicamente e que não há registros na Secretaria de Educação sobre problemas anteriores com o estudante. O município acrescentou que lamenta o fato, ressaltando que a rede municipal de ensino trabalha em prol do bem-estar dos alunos.

Avaliação de fatores
A psicopedagoga Vanusia Oliveira, formada e pós-graduada pela Uerj, e com mestrado em psicanálise pela Universidade Federal de Campinas, afirma que há uma série de fatores que devem ser avaliados antes de julgar as razões que levaram o aluno a agir de forma impulsiva, mas ficou assustada com a postura dos profissionais da escola.

bb

"O que mais me assustou não foi ver um pequeno menino quebrando e jogando objetos, mas pessoas querendo chamar os bombeiros ou a polícia. Vamos prender uma criança de sete anos ou capacitarmos a escola? Segurar uma criança não significa apertar ou bater. Segura-se uma criança com firmeza e com amor", declarou.

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism