JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

30 de out de 2015

SILAS CANDO – O DIA QUE O JAPONÊS ACABOU COM O BANHEIRO DO ESCRITÓRIO

Eaê galerinha gente fina do Direito.

Depois desse final de semana em casa fazendo nada, afinal é fim de mês e minha bolsa auxílio já acabou agitado estou de volta ao escritório torcendo pra que essa semana seja mais perfumada.

Acho que ainda não me recuperei de semana passada, as coisas federam feio aqui no escritório, literalmente.

Meu, aqui tem três advogados, e ainda assim tem dia que calha de todos estarem em audiência e eu ficar aqui sozinho, atendendo o telefone, a porta, peticionando... a maior vantagem é que nestes dias não preciso levar café pra ninguém.

Ai, tô eu aqui na maior paz, curtindo a solidão, me chega um cliente japonês que nunca marca e sempre aparece de surpresa, Seu Tanaka Gao. Não entendi foi nada, a audiência do cara era no dia seguinte e ele chegou todo esbaforido querendo trocar uma ideia com algum dos advogados pra saber como era pra fazer no dia seguinte.

BANHEIRO

Quando eu disse que só tinha eu lá, o cara que já tava suando frio ficou mais amarelo que o normal e ainda esbugalhou (na medida do possível) os olhos. Disse que tava muito nervoso, que não gosta de treta, que não sabia se devia ter entrado com esse processo, que tava com medo de falar alguma coisa errada e o juiz prender ele, mó neura.

Eu expliquei que eu não tinha como ajudar né?! Falei pra ele ir pra casa e ficar calmo que no dia seguinte o advogado conversava com ele antes da audiência. Ele concordou e disse que ia só usar o banheiro rapidinho antes de ir embora.

Meu, quando o maluco saiu, quem quase teve um treco fui eu! O cara empestiou o escritório todo! Acho que ele morava em Hiroshima e foi afetado pela radiação ou comeu pastel de flango podre por que ó, esse homem não tava bem não!

Depois que ele foi embora eu acabei com o estoque de bom ar do escritório e respirei o mínimo que podia, não tinha nem condições de me concentrar nas petições de juntada de substabelecimento que me mandaram fazer.

Quando eu pensei que o pior tinha passado, fui no banheiro tirar uma água do joelho e vi que o cara tava mesmo fora de controle, e adivinhem, aqui não tem faxineira né, quem foi limpar a cagada?! EU! Puta mancada viu!

Só mais um dia feliz na vida desse pobre estagiário, era melhor ter ido fazer carga de 20 volumes no sol de meio dia. Mas passou né.

Ah, e tem mais, no dia seguinte, o cara não foi na audiência, deu vontade de ligar pra saber o que houve, mas deixei pra lá.

Fico por aqui, pois estão me chamando. Acabou o café.

É noix.

Silas

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism