JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

17 de nov de 2015

ANÃ DECIDE VIRAR GAROTA DE PROGRAMA PRA JUNTAR DINHEIRO E ABRIR SEU ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA

Ela tem 25 anos de idade, é paranaense de Curitiba, quase uma advogada formada e com 1,30m de altura. Essas são as características de Dafne Anãzinha, uma anã (claro) que ganha a vida como garota de programa na sua cidade natal e que, aos poucos, vem se tornando uma webcelebridade - ela tem um blog e um canal no Youtube onde relata o dia a dia com os seus clientes.

Isso lembra uma outra história famosa, não é? "Eu uma nova Bruna Surfistinha? Cada pessoa é única, ela é única, não penso nisso. Minha história é diferente, sou diferente. Sou uma anã, tenho esse diferencial. Mas a admiro demais", diz Dafne em entrevista ao iG Deles.

Dafne começou a fazer programas, basicamente, por falta de dinheiro. Ela cursa o último ano da faculdade de Direito e encontrou na prostituição uma saída para continuar pagando suas contas. E, ao contrário de Bruna Surfistinha, ela tem uma boa convivência com a família.

"Antes de tudo, contei para minha mãe que iria começar a fazer programa. Minha família aceita numa boa. E minha mãe até me disse: 'Se você já está transando de graça com todo mundo agora, é melhor ganhar dinheiro com isso'. A minha família é bem tranquila. Meus pais ficam preocupados, mas não me julgam", conta.

A pequena Dafne é a única anã da família - ela tem mais duas irmãs e um irmão - e pretende continuar fazendo programas mesmo depois de formada. "Preciso de dinheiro para montar escritório, essas coisas, e também porque peguei gosto por isso, né?", fala, sorrindo. "Na verdade, estou bem perdida. Não sei se vou advogar ou continuar fazendo programas. Quero levar as duas coisas paralelamente, mas uma hora vou ter que decidir por uma", completa.

Preconceito

Se a família de Dafne aceita sua condição numa boa, o mesmo não se pode dizer dos colegas de faculdade. "Na minha classe já sabem que eu faço, mas ninguém fala nada. Mas já roubaram gasolina do meu carro, riscaram a lataria", lamenta.

E até com cliente. "Sempre tem uns comentários maldosos. Uma vez peguei um cara que começou a me chamar de mini puta, mas eu fico bem tranquila. Às vezes a pessoa está com problema em casa, está com o psicológico abalado; 99% dos clientes são casados, aí, podem usar esse artifício de me humilhar para se sentir bem", analisa.

Boleiro, ator, político...

A lista de homens que procuram Dafne é recheada de gente famosa. "Bastante deputado aqui de Curitiba me procura", conta. Jogadores de futebol também são clientes comuns, mas alguns atletas são problema para ela.

Dafne tem um blog e um canal no Youtube onde conta o dia a dia com seus clientes

"Não quero mais, rola muita droga com alguns jogadores. Uma vez, até devolvi o dinheiro para um deles. Sou muito pequena e eles ficam muito violentos nessa loucura, não tenho como me defender. Já aconteceu de um começar a gritar, ser inconveniente. Mas não são jogadores aqui da cidade, são de fora mesmo, que vêm jogar contra os times daqui", relata Dafne.

A anã lembra também de um momento engraçado com um ator famoso. "Um ator que atendi tinha uns pedidos muito esquisitos. Ele queria vestir minha calcinha. Eu deixei, mas morri de rir na hora".

Pedidos bizarros, mais dinheiro

O valor do programa com Dafne é R$ 300. E ela não cobra por hora. Se o cara quiser e puder ficar com ela três ou quatro horas, ela aceita numa boa. "Gosto de ficar com o cara. Estou mudando totalmente esse mundo e tem muita gente brava comigo, como cafetões, outras garotas de programa. Os clientes falam que saem com as meninas e elas me xingam. Já me procuraram também pelo celular e me xingaram, mas nem respondia, só bloqueava".

Mas Dafne avisou que pode aumentar o valor do seu cachê. Basta fazer um pedido bizarro. "Uma vez, um cara me ligou e pediu pra eu comer mamão e banana com aveia na semana. Só comi alimentos que estimulam o intestino. Aí, na hora do programa, ele pediu para eu defecar em um prato para ele comer", explica.

Dafne, garota de programa do Paraná

Foto: Reprodução / Instragram

"Em uma outra vez, um cliente pediu para eu soltar gases na cara dele depois de um sexo oral. Alguns também pedem para eu urinar no rosto. Nesses casos, cobrei R$ 1 mil, porque achei nojento. Quando é mais estranho, cobro mais", justifica Dafne.

A garota de programa avisou que também não faz inversão (que é transar com o cara usando um acessório com pênis). "Sinto ânsia de vômito, fazer isso é muito estressante".

Só clientes altos

A maioria dos caras procura Dafne por puro fetiche, por curiosidade em transar com uma anã. Ela sabe disso e ainda surpreende ao revelar que só atende homem alto. "Eles sempre falam que me procuram por esse fetiche, por serem altos e eu, baixa, por curiosidade. Para saber se é melhor ou pior que outras mulheres. Meus clientes têm de 1,80 m para cima, é difícil pegar cliente de baixa estatura. Eles falam que é bom, que é diferente, que é gostoso. Por isso, sempre voltam a me procurar, sempre".

O sucesso é tanto que a garota de programa já teve que cancelar três números de Whatsapp pelo excesso de mensagens recebidas. "Uma vez, recebi umas cinco mil, o telefone até travou e nem conseguia atender ligações", diz Dafne.

Domingo a domingo

A moça de Curitiba trabalha diariamente, de domingo a domingo, mas atende apenas um cliente por dia. "Às vezes, até acontece de atender um de manhã e outro à tarde, mas prefiro só um por causa da minha limitação física", define.

"Tenho muita facilidade para chegar ao orgasmo e, quando tenho, fico bem sensível lá embaixo, aí, não consigo transar com outro cara na sequência. Fico cansada, e prefiro não atender ninguém cansada. Prefiro fazer só um atendimento por dia, mas um atendimento de qualidade", finaliza.

Reportagem de Mário André Monteiro

Fonte: IG

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism