JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

26 de nov de 2015

HOMEM DESMENTE QUE FOI ROUBADO E DIZ: GASTEI COM UMA GAROTA DE PROGRAMA

A história contada por um trabalhador autônomo de que assaltantes usaram uma máquina de cartão de crédito para lhe roubar R$ 351 é falsa. A suposta vítima retornou à delegacia em Ribeirão Preto (SP) nesta terça-feira (24) e contou que, na verdade, foi extorquido por uma suposta garota de programa, após desistir dos serviços, e inventou a história para não ser descoberto pelos pais.

O delegado seccional Marcus Lacerda disse que a Polícia Civil já suspeitava da fraude, uma vez que a investigação preliminar do caso havia apontado contradições no depoimento do rapaz de 25 anos, quando registrou o boletim de ocorrência no último sábado (21). Agora, o autônomo pode responder por falsa comunicação de crime.

"A história apresentada pela vítima ganhou alguns novos contornos que dão um caminho mais preciso. Aquela versão fantasiosa de que teria sido roubado, extorquido e obrigado a usar uma maquininha de cartão de crédito, sequestrado, mantido em cárcere privado, não foi bem isso o que nós apuramos", afirmou.

O advogado do rapaz, Omar Alaedin, nega que o cliente tenha agido de má fé, justificando que ele foi ameaçado pela suposta acompanhante, após ele desistir do programa. "Foi desespero dele para não passar por um constrangimento. Ele não sabia o que falar para o pai, foi uma atitude impensada dele em ter procedido dessa forma", afirmou.

A verdade
Inicialmente, o rapaz relatou à polícia que foi rendido por um suspeito armado na Rodovia José Fragonesi, próximo ao distrito de Bonfim Paulista. Logo depois, teria sido levado a um galpão, onde foi ameaçado de morte e, sem dinheiro na carteira, obrigado a passar o cartão de crédito em uma máquina bancária.

O suspeito e dois comparsas teriam registrado três transações nos valores de R$ 26, R$ 260 e R$ 65. O homem disse que foi libertado logo depois, próximo a um viaduto na Avenida Dom Pedro I, com o veículo.

A versão foi desmentida nesta terça-feira. Segundo Alaedin, o cliente encontrou uma garota de programa na rua e ambos seguiram no carro dele para um motel. No caminho, porém, o autônomo desistiu dos serviços e passou a ser ameaçado pela acompanhante e por outro homem, suposto comparsa da mulher, pelo celular.

"Nesse motel, outras pessoas estavam em conluio com essa moça e acabaram forçando ele a passar o cartão de crédito. Ele passou o cartão na maquininha do motel. Pelo telefone, ele foi sendo ameaçado, até chegar a esse local", explicou o advogado.

Ainda segundo Alaedin, o autônomo não pode ser acusado de comunicação falsa de crime porque houve a extorsão. "Realmente, o crime aconteceu. Foi feita uma alteração dos fatos na narração do boletim de ocorrência, mas o crime aconteceu. Então, não sei se o delegado vai querer instaurar inquérito porque realmente houve um crime", alegou.

Investigação
A suposta garota de programa ainda não foi identificada pela polícia. O delegado Marcus Lacerda disse que os investigadores procuram pela suspeita e por outras pessoas que teriam participado da ação.

"É importante dizer que ainda não concluímos o caso, mas todo aquele que procura a polícia e noticia um crime, e se essa comunicação for falsa, está cometendo um crime. Não só atrapalha a investigação, como também implica em um trabalho desnecessário da Polícia Civil, que poderia estar voltada, focada em um caso mais grave, mais relevante", disse.

Fonte: G1

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism