JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

7 de dez de 2015

MULHER NÃO FOI CONDENADA À PENA DE MORTE GRAÇAS A JURADO QUE SE APAIXONOU POR ELA

Em 2008, Jodi Arias foi condenada por assassinar seu namorado Travis Alexander, de 30 anos, com tiros e facads durante uma crise de ciúme. A princípio seu destino estaria fadado à pena de morte, no entanto, graças ao júri popular, sua sentença foi reduzida e hoje ela cumpre prisão perpétua.

Em um livro recentemente publicado pelo promotor público que tomou conta do caso, Juan Martinez, uma teoria para o embrandecimento da pena deu o que falar nos Estados Unidos. A autoridade coloca na sua obra que Arias só não foi morta por seu crime porque um dos homens que compunha a banca de jurados populares teria se apaixonado perdidamente pela criminosa.

Nas páginas, Martinez não especificou exatamente qual dos integrantes seria o responsável pela absolvição parcial. No entanto, Tara Harris Kelley, uma das juradas que fez parte da banca conta que tem certeza que o homem a quem o promotor se refere é o guarda-costas Bill Zervakos, de acordo com uma entrevista dada ao Daily Mail.

1

De acordo com a senhora de 70 anos, Zervakos secretamente queria absolver Arias, além disso ela comentou que o homem também se gabava sempre por ser mulherengo e, em todas as ocasiões que podia, fazia contato visual com a ré durante as etapas de julgamento.

Em 2013, Arias foi condenada pelo assassinato, mas o júri em que Kelley e Zervakos estavam não conseguiu decidir realmente se haveria pena de morte. Em uma segunda tentativa, a pena de morte também não foi unânime e, por isso, Arias não foi condenada a tal.

O livro de Martinez será lançado em 2016 e promete trazer ainda mais detalhes a respeito do caso, apesar de o autor contar que irá manter em segredo o nome do homem apaixonado pela criminosa.

Fonte: Yahoo

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism