JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

17 de fev de 2016

EMPRESÁRIO QUE RECEBEU CARTÃO COM XINGAMENTO PROCESSA EMPRESAS

O empresário William Antunes Severino, de 32 anos, que recebeu um cartão de crédito com um xingamento no lugar de seu sobrenome, decidiu processar a empresa Conta Super e a dona da bandeira, a MasterCard. Morador de Caçu, no sul de Goiás, ele diz que não solicitou o cartão e se espantou ao ver que era chamado de "William Filho da Puta". Constrangida, a mãe dele também entrou com uma ação contra as companhias.

O cartão pré-pago foi recebido no último dia 8 de dezembro. No mesmo dia o empresário diz que passou a buscar uma resposta das empresas, mas só foi atendido depois que o caso ganhou repercussão. Mesmo assim, ele diz que a situação não teve um desfecho. “Só me atenderam depois que a imprensa noticiou. Mesmo assim, ficaram de me dar uma resposta e até agora nada. O desrespeito continua”, afirmou ao G1.

Segundo o empresário, que era cliente da Conta Super há pouco mais de dois anos, ele suspeita que o xingamento ocorreu depois que ele fez uma reclamação. "Tive um problema com uma transferência e liguei lá para reclamar. Liguei nervoso, mas não xinguei ninguém. Pode ter sido isso, algum atendente feito de sacanagem", pontua.
“Na época eu achei que era brincadeira, mas, quando analisei a correspondência, vi que era verdade. Até levei na esportiva no começo, mas como me ignoraram, cancelei meu cartão antigo na Conta Super e pedi uma explicação. Mas ainda assim nunca me ligaram”, conta.
Depois de receber o cartão, William diz que o xingamento o trouxe vários transtornos. “Não posso mais nem atender o telefone em casa, pois só me chamam assim. Eu até tento encarar como brincadeira, mas meus pais, que já são idosos, ficam muito nervosos. Minha mãe, em especial, se sente realmente ofendida, pois fere a honra dela”, relatou.

william


Processos
Por causa dos transtornos, o empresário e a mãe, a aposentada Jerônima Severina Vieira, de 72 anos, decidiram processar as empresas e pedir reparação por danos morais.
"A situação toda só gera constrangimentos, ainda mais para a minha mãe. Ela fica realmente nervosa quando alguém me chama assim. Isso faz mal para a saúde dela e, por isso, decidimos entrar com os processos. Não quero que mais ninguém passe por isso”, ressaltou William.

De acordo com o advogado Andre Luiz Oliveira Camargos, que defende o empresário e a mãe, a ação foi protocolada na Vara Cível de Caçu na última quinta-feira (28). “São dois processos distintos, um do William e outro da dona Jerônima, contra a Conta Super e a MasterCard. Ambos pedem reparação por danos morais em função dos constrangimentos que os envolvidos sofrem por causa do cartão com xingamento”, explicou ao G1.

Em nota, a assessoria de imprensa da MasterCard informou que, até a noite de sexta-feira (29), a empresa não havia recebido nenhuma intimação sobre o caso.

Em dezembro passado, a companhia havia informado que não tem responsabilidade pela administração do cartão, cabendo esta função ao banco emissor. A empresa destacou ainda que não possui "informações pessoais dos correntistas, sendo essas de propriedade exclusiva dos bancos emissores dos cartões MasterCard".
Já a Conta Super, na época, disse que lamentava o ocorrido e esclareceu que o processo de personalização de cartões dá ao cliente a liberdade de escrever, mediante o uso de senha pessoal, o nome pelo qual quer ser chamado. Mesmo assim, uma ferramenta verifica, automaticamente, a impressão de "termos impróprios". O comunicado explicou ainda que esse sistema sofreu um problema temporário, que já foi resolvido.

A reportagem fez um novo contato com a empresa para saber se ela já foi notificada sobre os processos, mas não houve retorno até esta publicação.

Fonte: G1

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism