JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

26 de fev de 2016

INTERNO DA FUNDAÇÃO CASA ENTRA PARA A FACULDADE DE DIREITO

Quando foi transferido da Grande São Paulo para a unidade 3 da Fundação Casa em Sorocaba (SP), João* (nome fictício), 18 anos, não imaginou que sua vida mudaria tão radicalmente. Internado por participar de um sequestro relâmpago, ele chegou ao interior do Estado em outubro de 2015 sem perspectivas para o futuro. Decidiu então se dedicar à grade acadêmica da instituição para "matar o tempo", como ele faz questão de dizer, prestou o Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL) em dezembro e conseguiu o que julgava ser impossível: uma vaga para cursar Direito em uma universidade.

"Achava que voltaria para o crime. Mas quando cheguei em Sorocaba, tudo mudou. Minha tutora acreditou em mim e me incentivou. Estudava o tempo todo para o tempo passar mais rápido e consegui a vaga. Agora a meta é ser defensor público", diz.

dscn6431

João, que foi selecionado por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), havia desistido dos estudos no 1º ano do ensino médio porque, segundo ele, "era difícil acompanhar o ritmo em uma sala com mais de 40 alunos". A decisão de deixar o colégio, porém, não foi aprovada pela família, principalmente pelo pai. "Ele não estava satisfeito com minhas decisões e disse que, se um dia eu fosse preso, ele nunca me visitaria. Estou há um ano e cinco meses internado e ele cumpre a promessa", admite.

Para o paulistano, a culpa por ter decepcionado o pai é pior do que a privação da liberdade. "Ele é um homem trabalhador e honesto. Na primeira ligação que recebi aqui dentro [na Fundação Casa], ele disse que quando eu sair, vai estar me esperando para eu mudar de vida. Ele vai ficar muito feliz com a minha aprovação", afirma.

Reconstruir o elo familiar também é um dos objetivos que Lucas* (nome fictício), de 18 anos, definiu quando recebeu a notícia de que havia sido aprovado no curso de educação física em uma universidade da região. O jovem, que cumpre pena há oito meses por assalto, diz ter emocionado a mãe, o irmão mais novo e o padrasto ao dar a notícia e prometeu cumprir um sonho antigo da família.

"Minha mãe tinha o sonho de me ver sendo orador na formatura. Ela sempre me falava isso. Demorou, mas agora vou começar a cumprir essa meta. Meu maior sonho é que ela e toda a minha família se orgulhem de mim", diz.
Aprovado no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), Lucas afirma que os poucos alunos por sala de aula na entidade sorocabana, além do incentivo da equipe multidisciplinar, foram fundamentais para a conquista. "Enquanto há vida, há esperança. Quando fui internado, minha mãe me perguntava o que mais precisava acontecer para eu ver que estava agindo de maneira errada. Fizemos do erro, um acerto", analisa.

De acordo com a coordenadora pedagógica da unidade, Luciana Monteiro dos Santos, nove internos participaram do Enem na Unidade 3 da Fundação Casa. Desses, três conseguiram bolsas de estudos para o ensino superior, um deles obteve bolsa integral nos cursos de ciência da computação e filosofia pelo Programa Universidade para Todos (ProUni).

"A grade escolar dos internos é como a grade estadual de ensino. Eles estudam das 7h às 12h, têm os intervalos e à tarde, educação profissional básica. Damos as ferramentas para quem quer recomeçar", afirma.
Segundo Luciana, a maioria dos internos volta a se dedicar à educação por acreditar no sistema de ensino da Fundação Casa. E ela destaca a seleção cuidadosa de professores, paralelamente a pequena quantidade de internos por sala de aula, para atingir esse objetivo. Hoje, nas 14 áreas de ensino da unidade 3 há, no máximo, 18 internos.

Fonte: G1

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism