JUIZ CAGÃO:

Juiz tira um foto no banheiro pra mostrar que também é genteClique e leia

2 de mar de 2016

MARISSOL FRIDA, A ESTUDANTE DE DIREITO - OS SEIS SUSPEITOS

Nos capítulos anteriores: Marissol Frida é uma estudante de Direito, patricinha, rica, que tem recebido mensagens ameaçadoras de um número desconhecido. Ao investigar o suposto (a) autor (a) descobre que o número de celular foi cadastrado com o CPF de um defunto.
Hellooo estudantes do curso mais style da galáxia!
Resolvi a prova de Processo Civil igual a cara da Cristina, aquela lambisgóia. Nada se encaixava... A data de cadastro do número de celular era posterior à morte da tal Jacinta, e minha cabeça estava a mil pensamentos por minuto. Percebi que alguns dos meus colegas me olhavam e eu não entendia nada. Comecei a criar teorias da conspiração que agora, com a cabeça no lugar, parecem absurdas. Estaria minha turma, fazendo uma pegadinha para me assustar? Ou eles sabiam o que estava acontecendo, e me olhavam piedosamente sabendo que meus dias estariam realmente contados? Estou participando de algum daqueles quadros de pegadinha da televisão?
Foi no meio das minhas viagens de teoria da conspiração que dei me conta de que a pessoa não quer mesmo ser identificada. Foi esperta em utilizar o número de CPF de alguém já falecido (mas nada esperto se tratando de um estudante de direito e sabendo – ou pelo menos devendo ter conhecimento – de que isso configura crime segundo os artigos 307 e 308 do nosso Código Penal). Pesquisei sobre a Jacinta, dona do número de CPF, e descobri que não tinha nem um vínculo familiar com alguém da minha turma. Poderia ser uma amiga, conhecida. Isso seria mais difícil de descobrir... Resolvi me aprofundar mais na vida dos meus colegas (o que não é nada difícil com todas as redes sociais disponíveis) e dessa forma, prosseguir minha investigação fazendo uma lista com os principais suspeitos (aceito ajuda caros leitores).
Comecei minha pesquisa pela Brenda, uma ariana que gosta de discutir (literalmente) com os professores e com os outros colegas. Quando a vi pela primeira vez fui enganada pela cara de menina inocente, quietinha, e santa. Ela é um dos meus maiores suspeitos, porque é o tipo de mulher que você nunca sabe do que é capaz e sempre te surpreende. Percebi isso quando fomos ao bar juntas e, depois de duas torres de 3 litros de chopp, me confidenciou seus inúmeros casos amorosos e o desfecho deles (ela é uma mistura de Maysa Matarazzo com Marilyn Monroe.).



Anelise é a melhor amiga da Brenda. Gosta de sushi, cerveja, canastra e narguile. É independente, inteligente, e linda. O único defeito: ela é de gêmeos. O ascendente em peixes que a salva. Não consigo crer que ela poderia fazer algum mal a mim. Aliás, não consigo vê-la fazendo mal a ninguém. Ela é tão pacífica que deveria se converter, virar budista e viver nos montes admirando as borboletas e orando por um mundo melhor. Não faço ideia do que ela faz no curso de Direito. Imagino que a mãe dela deva ter a obrigado (como eu). O problema é que, dizem as más línguas, ela já foi internada durante um ano por ser usuária de drogas depois que respondeu a um processo como co-autora em um caso de homicídio (vingança de dívida por drogas) e foi absolvida.
O Luiz só quer saber dos jogos do Palmeiras, carros, motos e BBB. Nada contra, adoro futebol, carros, e motos. Mas ele chega atrasado, sai mais cedo, atende o celular no meio da aula, faz piadas ridículas e sem graça, e fica puxando o saco dos professores. Um pé rapado da pior espécie. Já foi preso por dirigir (muito) bêbado e causar um acidente (que felizmente só teve danos materiais). Porém, continua bebendo incontrolavelmente. Ele finge que eu não existo porque a namorada psicopata ciumenta o obrigou a me excluir das redes sociais depois que eu curti uma foto dele (COM ela).
Wilson é pisciano e um belo cafajeste. Nunca perguntei a hora que ele nasceu, mas ele deve ter um ascendente em gêmeos ou sagitário, porque adora brincar com os corações alheios. É o tipo de cara popular que trabalha de DJ e participa de todos os grupos de whatsapp. Já ficou com quatro professoras (inclusive com a minha diva) e pelo menos 80% das mulheres do curso de Direito (só do Direito, não estou citando os outros cursos – e só citei as mulheres, mas tenho minhas dúvidas com homens muito patifes e mulherengos). Uma amiga (das várias) que já ficou com ele me contou que ele foi diagnosticado com bipolaridade grave e faz tratamento com remédios faixas preta e psicóloga. Ele me odeia, e faz questão de deixar isso claro. Por quê? Não dou moral pra esse tipinho.
Blaiti (nome esquisito, eu sei) é sentimental, chorona, sensível, e frágil. Ela parece ser forte quando sobe no palco e começa a cantar soltando a voz de Janis Joplin, mas cinco minutos com ela bastam pra perceber que ela é uma canceriana típica. Chorou quando o professor de penal contou um caso de estupro de vulnerável, chorou quando o professor de processo penal contou da condenação de um possível inocente, e chorou quando soube que um homem ficou preso quatro meses pelo furto de 5 galinhas e foi pego fazendo um risoto com a Giserda (a preferida do dono). Todavia mudei completamente meu conceito em relação a ela quando a flagrei no banheiro ameaçando a ex namorada pelo telefone de esquartejá-la e jogar no rio (e o pior é que ela percebeu que eu ouvi.).
Pedro Henrique é o maromba, bombadão, fitness, que leva batata doce cozida em um pote pra comer na pausa. Chega escutando Bonde da Stronda e é fã do Sylvester Stallone. É quieto, filho adotivo de pais problemáticos que se separaram quando ele tinha 9 anos (quando ele viu a mãe ser esfaqueada na sua frente e quase morrer.). Atualmente mora sozinho e trabalha em uma loja de suplementos. É o esquisito da turma. Possui muitas cicatrizes e vive aparecendo com novas escoriações (alô Medicina Legal!).

Eu sei que é um deles. Mas quem? (continua no próximo post.).

Espalhe

Receba por e-mail

Organizações N.E.D.: Não Entendo Direito - Entendo Direito - Desenvolvido por Templateism